Rádio Observador

Rio Tejo

Ambientalistas atribuem limpeza do Tejo a águas vindas de Espanha

Os ambientalistas dizem que a limpeza do Tejo está a ser feita com as águas vindas de Espanha, depois de o ministro do ambiente ter atribuído as melhorias às medidas adotadas nos últimos 10 dias.

ANTÓNIO JOSÉ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os grandes caudais que o Tejo tem apresentado nos últimos dias estão a permitir a limpeza do rio na zona do Fratel, disse esta quinta-feira o movimento proTEJO, notando que as águas estão a vir de Espanha.

Em comunicado, o Movimento pelo Tejo — proTEJO –, com sede em Vila nova da Barquinha, no distrito de Santarém, referiu que “a água do Tejo que o ministro do Ambiente diz que está ‘a caminho de boa’ vem de Espanha, estando os caudais extraordinariamente elevados vindos das barragens do país vizinho a permitir uma limpeza da água do rio Tejo na albufeira do Fratel”.

Segundo o movimento ambientalista, “afinal a água que vem de Espanha não é assim de tão má qualidade e permite obter resultados rápidos”. O comunicado do proTEJO foi divulgado depois de o ministro do Ambiente se ter congratulado na quarta-feira com a recuperação da qualidade da água do Tejo junto a Abrantes, uma melhoria que atribuiu às medidas adotadas nos últimos 10 dias.

João Matos Fernandes afirmou na Golegã que, depois dos valores de oxigénio registados no passado dia 24 de janeiro na barragem do Fratel, de 1,1 miligramas por litro (muito próximo do ponto em que não é permitida vida), os sete miligramas por litro registados na terça-feira revelam que as medidas adotadas nos últimos 10 dias fizeram “todo o sentido”.

“Neste momento temos uma qualidade da água a caminho de boa, já dentro dos padrões normais, mas os dados dizem que nesta altura do ano já deveriam estar nos nove miligramas por litro. De 1,1 temos sete, a recuperação foi muito boa e estou muito otimista com o que fizemos e com o muito que temos para fazer”, disse.

Os ambientalistas do proTEJO sublinharam neste dia estar “a registar-se um grande afluxo de água vinda de Espanha” e sustentam as suas afirmações com dados oficiais das barragens espanholas.

“Tendo em conta a menor quantidade de água, com as barragens da Extremadura espanhola a 49% a 5 de fevereiro de 2018, comparativamente com os 55% que se registaram na mesma semana de 2017, está a registar-se um grande afluxo de água vinda de Espanha”, sublinham, referindo como fonte o sítio Embalses.net — Província de Cáceres.

“Num único dia, a 7 de fevereiro de 2018, a barragem de Cedillo descarregou 5,36 hm3 [hectómetros cúbicos] de água e neste dia, dia 8 de fevereiro, entre as 3h e as 9h descarregou 3,68 hm3, perfazendo estes dois dias cerca de 09 hm3, ou seja, um volume de caudal muito superior aos 07 hm3 que Espanha está obrigada a enviar numa semana para cumprir a Convenção de Albufeira”, acrescentou.

Com base no Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos, o movimento indicou que “tem entrado e saído da barragem do Fratel, nos dias 5, 6 e 7 de fevereiro, um caudal médio diário entre 191 e 287 m3/segundo, com máximos de entrada de água de perto de 1.000 m3/segundo registados no dia 7 de fevereiro, quando o caudal mínimo acordado pela Agência Portuguesa do Ambiente com o concessionário EDP na barragem do Fratel e Belver é de 10 m3/segundo de caudal médio diário”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

A Saúde e a Constituição

António Alvim

Agora, na altura em que se comemoram os 40 anos do SNS, importa desmitificar outra ideia feita pela esquerda. Que o atual Modelo Público de SNS resulta da Constituição e é imposto por esta.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)