O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu esta sexta-feira que as Forças Armadas nunca poderão ser minimizadas ou menorizadas e enalteceu o “papel único e insubstituível” que desempenham na sociedade portuguesa.

“As Forças Armadas, pela natureza própria das suas funções nunca poderão ser minimizadas ou menorizadas na sociedade portuguesa porque além de servirem Portugal como esteio essencial de sobrevivência, unidade e independência nacionais cumprem missões que suprem insuficiências e debilidades da própria sociedade civil”, declarou.

O Presidente da República discursava no Laboratório Militar, em Lisboa, na cerimónia em que assinalou os 100 anos daquela estrutura do Exército, condecorada esta sexta-feira por proposta do ministro da Defesa com o título de membro honorário da Ordem Militar de Avis.

Marcelo Rebelo de Sousa inaugurou um novo equipamento do Laboratório Militar que permite a identificação genética dos restos mortais de militares portugueses quando não forem viáveis a identificação pelos registos dentários ou pelas impressões digitais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Presidente da República deu o Laboratório Militar como exemplo de uma estrutura militar que “supre insuficiências e debilidades da sociedade civil”, lembrando que produz medicamentos essenciais ao Serviço Nacional de Saúde que a indústria farmacêutica deixou de fabricar por não ter interesse comercial.

“Para quantos por outra vez duvidam da importância do papel do Estado na sociedade e por apelo liberal ou por preocupação `desestatizadora´ não entendem como é fundamental uma intervenção como esta, e para quantos se esquecem do papel único e insubstituível das Forças Armadas no quadro da Defesa Nacional este século é um exemplo eloquente e esta instituição é uma instituição paradigmática”, declarou.