Rádio Observador

Hyundai

Senhores e senhoras, eis o novo Kona Electric

1.524

A Hyundai apresentou hoje o seu Kona Electric. Com diferenças substanciais para a versão com motor de combustão, o novo modelo oferece dois níveis de bateria e de motor. Chega cá em Julho.

O construtor sul-coreano revelou hoje, através de uma apresentação online, o seu novo Kona Electric, modelo que entre nós é comercializado como Kauai. Mantém a filosofia de pequeno SUV, com as aplicações em plástico a revestir os guarda-lamas, mas diferencia-se ao possuir uma frente mais aerodinâmica – não há necessidade de entradas de ar para refrigerar os radiadores dos motores de combustão, que obviamente não possui – e atraente.

A primeira surpresa é que o Kona Electric vai oferecer dois níveis de capacidade de bateria, com respectivamente 39 e 64 kWh, a primeira similar à do Zoe e Leaf, e a segunda ao mesmo nível do Opel Ampera-e. A primeira garante uma autonomia ligeiramente abaixo dos 300 km, mais uma vez em linha com o Renault e o Nissan, com a segunda a poder percorrer até 470 km entre recargas, uma excelente autonomia para um veículo desta classe e dimensões, e melhor do que o Opel, que se fica por 380 km. De realçar que todos estes valores são de acordo com a norma WLTP, bastante mais próxima da realidade do que antigo NEDC.

Às diferentes capacidades das baterias estão associados distintos motores, com a bateria mais pequena a usufruir de 135 cv – entre os 108 cv do Zoe e os 150 cv do Leaf –, enquanto que a versão de 64 kWh tem à sua disposição 204 cv, o mesmo valor do Ampera-e, que lhe permite uma maior agilidade, anunciando 7,6 segundos de 0-100 km/h. Curiosamente, ambos os motores anunciam 395 Nm de binário, pelo que o condutor pode sempre contar com força mais que suficiente para responder às solicitações do acelerador, com este valor a ser similar a um bom motor 2.0 turbodiesel.

As informações sobre o consumo, estado da bateria e a sempre fundamental autonomia são fornecidas ao condutor através do painel do ecrã de 7”, sendo que o Kona Electric oferece uma série de equipamento de ajuda ao condutor, pouco usual em veículos com pouco mais de 4 metros de comprimento. O novo modelo usufrui ainda de carga rápida, podendo ser ligado a postos de até 100 kW de potência (em Portugal a carga rápida está limitada a 50 kW, a menos que possua um Tesla, pois os seus superchargers atingem 120 kW), o que lhe permite recarregar até 80% da capacidade da bateria de 64 kWh em menos de uma hora. Ou 9h40, caso esta ligado a um posto de carga a 7,2 kW, tipo wallbox.

Preços ainda não há, mas serão diferenciados, consoante a capacidade da bateria e potência do motor, pois só o acréscimo de bateria deverá implicar um incremento próximo dos 9.000€, isto caso o custo do kWh tenha para a Hyundai um valor próximo do que tem para a Nissan, que ronda os 200€. Sabe-se sim que o Kona Electric será proposto no nosso país como Kauai Electric, no início da segunda metade de 2018, ou seja, a partir de Julho. Se o preço for competitivo, poderá transformar-se num dos principais players do segmento.

Texto actualizado às 11h00, com fotos e informações relativas à data de chegada ao mercado português

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)