Hyundai

Senhores e senhoras, eis o novo Kona Electric

1.524

A Hyundai apresentou hoje o seu Kona Electric. Com diferenças substanciais para a versão com motor de combustão, o novo modelo oferece dois níveis de bateria e de motor. Chega cá em Julho.

O construtor sul-coreano revelou hoje, através de uma apresentação online, o seu novo Kona Electric, modelo que entre nós é comercializado como Kauai. Mantém a filosofia de pequeno SUV, com as aplicações em plástico a revestir os guarda-lamas, mas diferencia-se ao possuir uma frente mais aerodinâmica – não há necessidade de entradas de ar para refrigerar os radiadores dos motores de combustão, que obviamente não possui – e atraente.

A primeira surpresa é que o Kona Electric vai oferecer dois níveis de capacidade de bateria, com respectivamente 39 e 64 kWh, a primeira similar à do Zoe e Leaf, e a segunda ao mesmo nível do Opel Ampera-e. A primeira garante uma autonomia ligeiramente abaixo dos 300 km, mais uma vez em linha com o Renault e o Nissan, com a segunda a poder percorrer até 470 km entre recargas, uma excelente autonomia para um veículo desta classe e dimensões, e melhor do que o Opel, que se fica por 380 km. De realçar que todos estes valores são de acordo com a norma WLTP, bastante mais próxima da realidade do que antigo NEDC.

Às diferentes capacidades das baterias estão associados distintos motores, com a bateria mais pequena a usufruir de 135 cv – entre os 108 cv do Zoe e os 150 cv do Leaf –, enquanto que a versão de 64 kWh tem à sua disposição 204 cv, o mesmo valor do Ampera-e, que lhe permite uma maior agilidade, anunciando 7,6 segundos de 0-100 km/h. Curiosamente, ambos os motores anunciam 395 Nm de binário, pelo que o condutor pode sempre contar com força mais que suficiente para responder às solicitações do acelerador, com este valor a ser similar a um bom motor 2.0 turbodiesel.

As informações sobre o consumo, estado da bateria e a sempre fundamental autonomia são fornecidas ao condutor através do painel do ecrã de 7”, sendo que o Kona Electric oferece uma série de equipamento de ajuda ao condutor, pouco usual em veículos com pouco mais de 4 metros de comprimento. O novo modelo usufrui ainda de carga rápida, podendo ser ligado a postos de até 100 kW de potência (em Portugal a carga rápida está limitada a 50 kW, a menos que possua um Tesla, pois os seus superchargers atingem 120 kW), o que lhe permite recarregar até 80% da capacidade da bateria de 64 kWh em menos de uma hora. Ou 9h40, caso esta ligado a um posto de carga a 7,2 kW, tipo wallbox.

Preços ainda não há, mas serão diferenciados, consoante a capacidade da bateria e potência do motor, pois só o acréscimo de bateria deverá implicar um incremento próximo dos 9.000€, isto caso o custo do kWh tenha para a Hyundai um valor próximo do que tem para a Nissan, que ronda os 200€. Sabe-se sim que o Kona Electric será proposto no nosso país como Kauai Electric, no início da segunda metade de 2018, ou seja, a partir de Julho. Se o preço for competitivo, poderá transformar-se num dos principais players do segmento.

Texto actualizado às 11h00, com fotos e informações relativas à data de chegada ao mercado português

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)