Vistos Gold

Investimento captado com vistos ‘gold’ cai 8% em fevereiro para 91,4 milhões de euros

O investimento captado através de vistos gold caiu 8% durante o mês de fevereiro. Dos 91 milhões de euros captados, a maior parte diz respeito à aquisição de bens imóveis.

Inacio Rosa/LUSA

O investimento captado através dos vistos ‘gold’ caiu 8% em fevereiro, face a igual período de 2017, para 91,4 milhões de euros, de acordo com os dados estatísticos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) divulgados esta segunda-feira.

Em fevereiro o investimento resultante da Autorização de Residência para a atividade de Investimento (ARI), como também são conhecidos os vistos ‘gold’, atingiu os 91.380.873,02 euros, menos 8% do que em igual mês do ano passado (99.512.868,51 euros).

Face a janeiro, mês em que o investimento ascendeu a 99.169.840,74 euros, o recuo foi de 7,8%.

Do total do montante captado em fevereiro, a maior parte provém da aquisição de bens imóveis (88.347.746,48 euros), enquanto a transferência de capital angariou 3.033.126,54 euros.

No mês passado foram atribuídos 159 vistos dourados, dos quais 156 por via do critério de aquisição de bens imóveis. Do total destes últimos, 11 foram concedidos através da compra de imóveis para reabilitação urbana.

A transferência de capital foi responsável pela atribuição de três vistos. Não houve qualquer visto para a criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho.

Até final de fevereiro tinham sido atribuídos 114 vistos ‘gold’ para reabilitação urbana, sendo que o primeiro foi concedido em julho de 2016.

Em termos acumulados – desde que os vistos ‘dourados’ começaram a ser atribuídos, em 08 de outubro de 2012, até fevereiro último -, o investimento total captado com as ARI atingiu os 3.601.816.556,15 euros, dos quais 337.062.493,99 euros por transferência de capital e 3.264.754.062,16 euros pela compra de bens imóveis.

Desde a criação deste instrumento, que visa a captação de investimento, foram atribuídos 5.876 ARI: dois em 2012, 494 em 2013, 1.526 em 2014, 766 em 2015, 1.414 em 2016, 1.351 em 2017 e 323 em 2018.

Em termos acumulados, desde a sua criação até fevereiro, foram concedidos 5.553 vistos pelo requisito da aquisição de bens imóveis, 314 por transferência de capital, e nove pela criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho.

A China lidera a lista de ARI atribuídas (3.709 até fevereiro), seguida do Brasil (507), África do Sul (234), Rússia (206) e Turquia (158).

As novas regras para a obtenção de vistos ‘gold’, que alargaram os critérios de investimento para cidadãos fora da União Europeia a áreas como reabilitação urbana e ciência, entre outras, entraram em vigor em 03 de setembro de 2015.

Desde 2013 foram atribuídas 9.861 autorizações de residência a familiares reagrupados: 576 em 2013, 2.395 em 2014, 1.322 em 2015, 2.344 em 2016, 2.678 em 2017 e 546 em 2018.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)