Rádio Observador

Donald Tusk

Presidente do Conselho Europeu recusa felicitar Putin pela reeleição

Donald Tusk recusa-se a felicitar Putin pela sua reeleição. Jean-Claude Juncker fê-lo através de uma carta, sem nomear o caso do envenenamento do ex-espião russo, razão pela qual foi alvo de críticas.

STEPHANIE LECOCQ / POOL/EPA

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, recusou esta quarta-feira felicitar Vladimir Putin pela sua reeleição nas eleições presidenciais russas no passado domingo, justificando a sua atitude com o caso do envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal em solo britânico.

“Depois do ataque de Salisbury [no sul de Inglaterra], não tenho disposição para felicitar Putin pela sua reeleição”, disse Donald Tusk, numa conferência de imprensa em Bruxelas, um dia depois do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, ter enviado uma carta de felicitações a Putin.

O político polaco referia-se ao caso do ex-espião duplo de origem russa Serguei Skripal, de 66 anos, e da sua filha Yulia, de 33 anos, que, segundo Londres, foram envenenados com um agente neurotóxico identificado como Novichok, cujo fabrico remonta à altura da União Soviética.

Os dois, que ainda permanecem hospitalizados em estado grave, foram encontrados inconscientes no passado dia 4 de março, num banco num centro comercial em Salisbury. O Reino Unido responsabiliza Moscovo por esta tentativa de homicídio.

A carta de Jean-Claude Juncker a Putin mereceu fortes críticas britânicas, porque a missiva não mencionou o clima de tensão verificado na sequência do caso Skripal. “Esta carta de Jean-Claude Juncker é vergonhosa”, disse a eurodeputada e líder dos conservadores britânicos no parlamento europeu, Ashley Fox, num comunicado.

Felicitar Vladimir Putin pela sua vitória eleitoral sem fazer referência à clara manipulação de boletins de voto que teve lugar já é suficientemente mau. Mas o facto de não mencionar a responsabilidade da Rússia no ataque com um agente neurotóxico militar contra inocentes no meu círculo eleitoral é ofensivo”, afirmou Ashley Fox, eurodeputada eleita pelo círculo eleitoral que integra a cidade de Salisbury.

O antigo primeiro-ministro belga Guy Verhofstadt, presidente da Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa (ALDE) no parlamento europeu, também fez declarações muito duras sobre este assunto. “Este não é o momento para felicitar”, referiu o político belga na rede social Twitter. “Iremos sempre precisar de um diálogo com a Rússia, mas os laços mais próximos deverão ser sempre condicionados pelo respeito pela ordem internacional fundada em regras e valores fundamentais”, frisou Verhofstadt.

O caso do ex-espião russo Serguei Skripal será um dos temas em debate na próxima cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE), agendada para Bruxelas para quinta e sexta-feira (dia 22 e 23 de março).

A atitude em relação a Moscovo está a dividir, no entanto, os Estados-membros da UE. A maioria está convencida da responsabilidade de Moscovo, mas muitos recusam inflamar as relações entre a Rússia e o bloco comunitário e incriminar diretamente o Kremlin (Presidência russa).

Este caso está a provocar um clima de forte tensão entre a Rússia e o Reino Unido. Londres anunciou a suspensão de contactos bilaterais de alto nível com Moscovo e a expulsão de 23 diplomatas russos do Reino Unido. Em resposta, Moscovo também anunciou a expulsão de 23 diplomatas britânicos e o fim das atividades do British Council na Rússia. Vladimir Putin foi reeleito Presidente da Rússia no domingo passado com 76,67% dos votos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)