829kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Nova lei da identidade de género aprovada na especialidade e votada em plenário a 13 de abril

Este artigo tem mais de 5 anos

A nova lei da identidade de género, que prevê a alteração do nome no Cartão de Cidadão sem relatório médico e a partir dos 16 anos, foi aprovada na especialidade e é votada em plenário na sexta-feira.

i

INACIO ROSA/LUSA

INACIO ROSA/LUSA

A proposta do Governo para a nova lei da identidade de género foi aprovada na especialidade, esta sexta-feira, com os votos favoráveis do PS, BE, Verdes e PCP — que se absteve em dois artigos. O PSD votou contra toda a matéria e o CDS não esteve presente na votação indiciária desta tarde, na subcomissão para a Igualdade e Não Discriminação.

A proposta de Lei, que prevê a mudança de nome no Cartão de Cidadão a partir dos 16 anos e sem relatório médico, será ratificada na quarta-feira, dia 11 de abril, na primeira comissão e sobe a plenário para votação final global na próxima sexta-feira, dia 13 de abril.

Cada artigo do documento do Governo foi votado autonomamente. O Bloco de Esquerda e o PAN também apresentaram propostas, mas acabou por prevalecer o diploma do Governo. “As reivindicações principais eram comuns às três iniciativas“, explicou a deputada bloquista Sandra Cunha ao Observador, nomeadamente a questão do acesso à lei a partir dos 16 anos sem relatório médico. Outras propostas que estavam no documento do BE, e que o partido pediu que fossem votadas separadamente, “foram rejeitadas” — a “alteração do nome no registo a menores de 16 anos” e o “acesso à lei a imigrantes com título de residência válida ou a requerentes de asilo” são alguns dos exemplos.

Relativamente à ausência do CDS, o deputado Nuno Magalhães esclareceu ao Observador que o partido não pôde estar presente “por motivos de agenda“, mas indicaram à presidente da comissão, a socialista Elza Pais, que votavam contra toda a matéria. Posição que o partido liderado por Assunção Cristas irá manter na próxima sexta-feira, na votação final global.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

CDS vota contra alteração legislativa que possibilita mudança de género aos 16 anos

Filipe Lobo D’Ávila e Raúl Almeida, ambos conselheiros nacionais do CDS, criticaram esta ausência do CDS.

“Ficámos perplexos e incrédulos”, afirmou Raúl Almeida ao Observador. “A agenda dos deputados não deve reger-se por critérios de relevância e interesse político. Não conseguimos imaginar nenhum outro tema mais importante do que este da lei da identidade de género.”

Para o centrista, isto é “um sinal” e “uma repetição de um padrão que se inaugurou com a ausência da presidente do partido na votação das barrigas de aluguer”. “Não encontramos nenhuma justificação aceitável que dita na agenda de um deputado a sua ausência”, disse ainda Raúl Almeida, acrescentando que o envio do posição contra do CDS à presidente da subcomissão é “manifestamente insuficiente em termos de sinal político.

Também o PSD votou contra a proposta. Recorde-se que, esta quinta-feira, o PSD adiantou que à partida iria dar disciplina de voto contra, uma vez que não concorda com a proposta do Governo de acabar com o relatório médico para a mudança de género no Cartão de Cidadão. Aliás, o PSD tinha feito uma proposta de alteração ao documento do Governo nesse sentido, mas foi chumbada. “Entendemos que a proposta de alteração que apresentámos era imprescindível e que se fosse chumbada, votaríamos contra“, esclareceu Ângela Guerra, do PSD.

PSD não aprova mudança de sexo no Cartão de Cidadão sem relatório médico e quer disciplina de voto

O PS, por sua vez, irá dar liberdade de voto para a votação final. Isabel Moreira esclareceu que esta é, por norma, a posição do partido, à exceção de questões ligadas ao “programa de governo” ou a “questões de governabilidade”. Ainda assim, a deputada sublinha que não tem “conhecimento de ninguém” no grupo parlamentar que seja contra esta lei.

Se se mantiver a votação favorável do PS, BE, Verdes, os votos contra do PSD e CDS e a abstenção do PCP — que já tinha adiantado que se iria abster na votação global final –, com o voto a favor do PAN, que não tem assento efetivo na subcomissão para a Igualdade pelo que só poderá votar em plenário, a nova lei da identidade de género passa por um voto.

“Tenho esperança de que no PSD, à semelhança do que aconteceu com outras matérias de direitos fundamentais, mesmo com indicação de voto contra, haja deputados e deputadas que votem em consciência”, afirmou Isabel Moreira ao Observador.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Apoie o jornalismo independente desde 0,18€/ dia
Ver planos
Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas