Saúde

Hospital de São João. Crianças fazem quimioterapia nos corredores

6.860

Incentivados pelos profissionais de saúde, três famílias denunciam as condições em que os filhos estão a ser tratados no Hospital de São João, no Porto.

A falta de condições estende-se à unidade do Joãozinho, para onde as crianças são encaminhadas quando têm de ser internadas.

Artur Machado / Global Imagens

A falta de condições em que as crianças com cancro estão a ser tratadas no Hospital de São João estende-se à unidade Joãozinho — para onde os menores são encaminhadas quando têm de ser internados —, e há crianças a fazerem tratamentos de quimioterapia nos corredores. A denúncia é feita pelas famílias dos menores doentes e, segundo dizem ao Jornal de Notícias que avança a notícia, são os próprios profissionais de saúde a incentivá-los a fazer a falar publicamente.

Confrontado com as queixas, fonte oficial da hospital do Porto garante que têm sido feitas melhorias na unidade e que irão continuar a fazer os melhoramentos que começaram há dez anos. No entanto, a construção da nova ala pediátrica está parada há dois anos.

A propósito disso, os pais relembram que há quase dez anos que a unidade Joãozinho funciona em contentores, fora do edifício central. Embora denunciem e se queixem das condições em que os seus filhos recebem tratamentos, os pais são unânimes em aplaudir o comportamento dos profissionais de saúde que, segundo dizem ao JN, tudo fazem para dar o melhor tratamento às crianças.

“As crianças acabam de fazer quimioterapia e têm de partilhar os elevadores com os caixotes de lixo e os carrinhos de limpeza são colocados ao lado dos de comida”, conta Jorge Pires, pai de um adolescente em tratamento, acrescentando ter já enviado vários emails para a administração hospitalar.

Já Patrícia Ferraz, mãe de uma outra criança com doença oncológica, diz que quando os menores precisam de ser internados chegam a esperar quatro e cinco horas por uma ambulância “sem condições higiénicas” que os leve até ao Joãozinho, um percurso que se faz “em alguns minutos”.

Outra mãe, Marlene Pinho, refere que se a situação na zona de quimioterapia no ambulatório “é caótica”, quando é preciso internar as crianças a situção é mil vezes mais grave. “Não se admite que as crianças em isolamento tenham quartos com buracos nas paredes.”

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)