“Há pessoas que pagavam rendas de 200 e 300 euros e agora estão a ser confrontadas com valores de 600 e 700 euros.” A denúncia é de Romão Lavadinho, presidente da Associação dos Inquilinos Lisbonenses, que diz que o aumento exponencial das rendas se deve ao boom imobiliário dos grandes centros urbanos e à pressão turística. A notícia é avançada pelo Diário de Notícias.

Para já, Romão Lavadinho considera que o cenário pode piorar nos próximos dois anos, quando o período de transição do Novo Regime de Arrendamento Urbano (NRAU) terminar. Entre 2012 e 2017, vigorou o travão ao aumento de rendas que foi prolongado por mais três anos, estendendo-se assim até 2020.

“Mas, terminado o período transitório, o valor da renda a apurar será igual a 1/15 avos do valor patrimonial do imóvel. Uma renda que hoje está em 120 euros pode passar para 500 ou 600 euros à vontade“, sublinha, acrescentando que haverá pouco mais de 100 mil contratos em causa por todo o país. Os inquilinos em risco serão essencialmente “pessoas de idade avançada”.

Também António Frias Marques, da Associação Nacional de Proprietários, reconhece que o fim do período de transição pode levar à subida das rendas. No entanto, acredita que a maioria deste inquilinos tem mais de 65 anos, estando por isso protegidos pela lei.

Em Lisboa, o presidente da câmara municipal está atento ao fenómeno, à medida que em cada vez mais freguesias do centro histórico vão sendo conhecidos novos despejos.

A autarquia lisboeta já anunciou que irá vai criar um mecanismo de apoio aos despejos e à habitação, que deverá estar operacional no início de maio. Por outro lado, irá também trabalhar com a Segurança Social para conseguir disponibilizar casas na capital a preços acessíveis, entre 400 e 600 euros.

Fernando Medina diz que esta “é uma iniciativa muito importante” e “um sinal muito claro também da Segurança Social de querer participar neste projeto”.