Empreendedorismo

EIA: Inventar o futuro em Cascais

A European Innovation Academy (EIA) promete inovar na área da robótica e inteligência artificial. Os futuros jovens líderes de startups reúnem-se, entre 15 de julho e 3 de agosto, em Cascais.

Getty Images/iStockphoto

O mundo está a mudar e as grandes apostas de futuro na área tecnológica centram-se na robótica, inteligência artificial e machine learning. “Estas áreas vão alterar a forma como as empresas fazem negócios. Pela primeira vez na história, as tecnologias oferecem capacidade de aprendizagem para as máquinas. Portanto, elas apresentam maior adaptação e autonomia. Isso mudará completamente o papel dos seres humanos nos negócios e impulsionará o crescimento das empresas em tempo recorde.” Quem o diz é Alar Kolk, presidente da European Innovation Academy (EIA), a maior aceleradora de startups do mundo. Este programa internacional de empreendedorismo visa transformar, em apenas 15 dias, uma ideia de negócio numa nova empresa.

A meta da academia de inovação é impulsionar as capacidades empreendedoras dos universitários, permitindo testar de uma forma rápida e eficiente os projetos. O estónio que lidera o evento não tem dúvidas: “100 startups de 60 países vão experimentar as ideias mais inovadoras que irão moldar as nossas vidas em cinco anos. Eles vão inventar o futuro em Cascais”.

Universitários como motor do empreendedorismo

A EIA 2018, a academia internacional que acredita na criatividade dos universitários como motor de inovação, vai ter este ano o dobro dos participantes da edição anterior. No total, são 500 jovens que vão colocar à prova as suas capacidades de empreendedorismo.

“Os alunos podem projetar e desenvolver a sua vida futura seguindo um caminho empreendedor. É uma oportunidade para desenvolver startups com a ajuda de mentores de Silicon Valey. Os 100 estudantes de Portugal irão juntar-se a 150 estudantes norte-americanos. Na calha estão os novos criadores de facebooks e googles”, acrescenta Alar Kolk, o líder deste evento em que o sonho comanda o empreendedorismo.

Espera-se que participem na iniciativa mil estudantes portugueses até 2021, segundo o plano de permanência da EIA traçado a priori para Portugal. Os jovens contam com o apoio de alguns parceiros da organização da academia no nosso país. Nesta 2ª edição o Santander Universidades vai atribuir directamente 50 bolsas a estudantes, enquanto as universidades portuguesas com as quais o SU tem protocolo de colaboração apoiam com outras 50 bolsas.

Jovens impulsionam reviravolta para nova economia

Com o objetivo de criar startups tecnológicas líderes de mercado, a EIA conta com a colaboração de instituições que são uma referência na área da inovação: as Universidades de Berkeley e Stanford e o gigante Google. A ideia é que 50 equipas de estudantes sejam capazes de criar o seu próprio projeto tecnológico, com a ajuda de mentores com ampla experiência em empreendedorismo, com o objetivo final de conquistar potenciais investidores.

O presidente da EIA esteve recentemente em Portugal para a apresentação do programa 2018, que decorreu na sede do Banco Santander Totta, um dos principais patrocinadores da iniciativa. Alar Kolk dissertou sobre o tema “Life Design: The Vision of Portugal in 2025”. Para o líder da academia pode emergir uma nova economia portuguesa impulsionada por startups e empresas digitais, em que os estudantes desempenham um papel fundamental para motivar esta reviravolta, baseada em novos modelos de negócio e tecnologias.

O lançamento da EIA 2018 contou também com a presença de alguns estudantes portugueses que partilharam as experiências da sua participação na academia do ano passado e deram a conhecer o desenvolvimento dos projetos que lideram. No final da sessão, foram oferecidas três bolsas de empreendedorismo para o ingresso na academia aos alunos que estiveram presentes no encontro.

Em Portugal, o Santander Universidades e a Câmara Municipal de Cascais são os principais parceiros da EIA, que conta também com o apoio da Beta-i, da Universidade Nova de Lisboa e da Daimler AG.

No caso do apoio do Santander Universidades está em causa um papel central na ligação da EIA às universidades e aos politécnicos portugueses, proporcionando uma experiência única aos jovens universitários. O objetivo é estimular o espírito empreendedor e as capacidades digitais dos alunos, que vão poder trabalhar num ecossistema verdadeiramente multicultural.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Global Shapers

Já não há desculpa

Hugo Menino Aguiar

Vivemos numa época em que o nosso impacto negativo no mundo está a poucas décadas do ponto de não retorno. Já não é tanto sobre como será o mundo para os nossos netos ou filhos, é ainda antes disso.

Global Shapers

Estás a viver para quem?

Fred Canto e Castro
935

Escolhemos o nosso carro, profissão, e até as nossas relações, não com base no que nos deixaria ultimamente preenchidos, mas sim naquilo que nos dará maior aprovação. E vale a pena?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)