Rádio Observador

Alemanha

SPD alemão elege a primeira mulher em 155 anos de história

Andrea Nahles foi eleita para a presidência do Partido Social-Democrata alemão, sucedendo a Martin Schulz. A política de 47 anos, que derrotou outra mulher, herda agora um partido fraturado.

Líder parlamentar do SPD é a nova presidente do partido

CLEMENS BILAN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A líder do grupo parlamentar do Partido Social-Democrata alemão tinha lançado uma espécie de promessa no congresso do partido. “Hoje, aqui, vamos quebrar um teto de vidro”, garantiu Andrea Nahles, durante um discurso perante o congresso do seu partido em Wiesbaden, no oeste da Alemanha, aludindo ao facto de, pela primeira vez nos seus 154 anos de história, o Partido Social-Democrata (SPD) estar disposto a colocar uma mulher na liderança. O apelo foi recebido e, este domingo, Andrea Nahles tornou-se na primeira mulher a liderar os sociais-democratas  nos seus 155 anos de história, batendo outra mulher na corrida: Simone Lange, antiga autarca da cidade de Flensburg que também já foi polícia.

Para garantir a presidência do partido e assumir assim a sucessão do histórico Martin Schulz — que liderou o SPD de 1993 até ao ano passado –, a política de 47 anos conquistou 66,35% dos votos: o correspondente a 414 em 624 delegados que participaram no congresso extraordinário de Wiesbaden. Mas a vitória, apesar de expressiva é vista como agridoce, dado que os restantes 172 delegados que votaram em Lange representam a fação de descontentes com a recente política seguida pelo partido ao aceitar uma coligação de governo com a CDU e a CSU.

“Mulher do povo, católica, oriunda de família trabalhadora, sindicalista e combativa”, Andrea Nahles herda assim a liderança de um partido fraturado. No seu discurso de vitória, ainda no congresso, a nova líder do partido e antiga ministra do Trabalho tentou passar ao lado dos focos de descontentamento e destacar as duas grandes batalhas do seu mandato: saúde e justiça social. “Precisamos de uma rede de solidariedade na economia e nas finanças”, defendeu. Isto porque, reforçou, a solidariedade é o que mais falta neste mundo globalizado, neo-liberal e turbo-digital. E, sejamos honestos, até certo ponto, a própria social-democracia”.

Com a eleição de Andrea Nahles, o cenário dos partidos na Alemanha reforça a liderança no feminino iniciada há quase duas décadas com Angela Merkel na União Democrata Cristã (CDU). A estas duas mulheres, juntam-se as presidências bicéfalas e partidárias dos Verdes ou da AfD (Alternativa para a Alemanha). A única exceção são os bávaros da União Social Cristã (CSU) e os liferais do FPD.

Apostar na coligação para renovar partido

A nova presidente do partido recordou durante o congresso de Wiesbaden o difícil caminho percorrido pelo partido até aceitar entrar numa nova grande coligação com a chanceler Angela Merkel desde a queda do partido nas últimas eleições, em que obteve um mínimo histórico de 20,5%. “Podemos renovar-nos a partir de dentro da grande coligação”, prometeu Andrea Nahles, descrevendo o SPD como “defensor da justiça social” e depois de recordar algumas das conquistas do partido, como a aplicação do salário mínimo interprofissional, conseguida na legislatura anterior, quando era ministra do Trabalho.

Ainda no seu discurso derradeiro, antes da votação do partido que lhe daria a vitória, Andrea Nahles apelou à unidade: “podemos consegui-lo, mas não é coisa para uma só pessoa, mas para todos juntos”. Simone Lange — que se apresentou como sendo uma “alternativa real” para um partido que, disse, “não pode demorar mais tempo” a renovar-se — assumiu neste congresso o rosto e a voz do que discordam do recente caminho de coligação seguido pelo partido. Também alertou para a crescente precariedade laboral na Alemanha, tendo pedido o voto dos delegados no congresso para “combater com determinação” estas situações.

São as fraturas que a nova líder terá agora de enfrentar e resolver. Depois dos fracos resultados obtidos nas últimas eleições, em setembro, onde obteve uma histórica percentagem de 20,5%, o SPD luta agora por reconquistar o eleitorado perdido nos últimos anos de governação dominada por Merkel. Para reanimar o partido, são muitos os que defendem que Nahles tem a difícil missão de unir as alas de esquerda e centro dentro do SPD, e que disso pode depender, não só a sua permanência como líder, como a própria sobrevivência do partido

(artigo atualizado às 7h00 de 23 de abril com os resultados definitivos da eleição no congresso do SPD que deu a vitória a Andrea Nahles)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)