A Procuradoria-Geral da República de Moçambique registou 60.500 processos-crime em 2017, uma redução de 1,1% face a 2016, ano em que foram registados 61.144 processos-crime, informou esta quarta-feira aquela instituição.

A procuradora-geral da República de Moçambique, Beatriz Buchili, disse, na informação anual à Assembleia da República, que o maior número de crimes em 2017 foi contra o património, com 45,3%, principalmente furtos e roubos.

Seguem-se os crimes contra as pessoas, com maior incidência nas ofensas corporais, 16,2%, violência doméstica, 10,3%, e homicídios, com 5%.

A procuradora-geral da República assinalou que se verificou em 2017 um incremento de 33% de processos-crime, Manica, 28,9%, e cidade de Maputo, 27,2%.

“Durante o ano de 2017, registámos a redução dos crimes violentos, como são os casos de linchamentos e homicídios voluntários com carácter hediondo”, acrescentou Beatriz Buchili.

A diminuição de crimes violentos resultou da prevenção e da identificação e desmantelamento de grupos criminosos, continuou Beatriz Buchili.

A procuradora-geral da República manifestou preocupação com a destruição de infraestruturas públicas e ataques às autoridades, devido à associação que alguns populares fazem entre algumas doenças e fenómenos naturais, como a cólera e a falta de chuva à superstição.