Os resultados líquidos do Deutsche Bank caíram para 120 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, menos 79% do que no mesmo período de 2017, informou esta quinta-feira a instituição.

O volume de negócios desceu para sete mil milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, menos 5% do que no mesmo período do ano passado. O banco atribuiu a queda dos resultados e do volume de negócios sobretudo às diferenças das taxas de câmbio, especialmente a revalorização do euro face ao dólar, e às baixas receitas da banca de empresas e de investimento, adiantou o Deutsche Bank.

Depois de anunciar os resultados, o novo presidente do Deutsche Bank, Christian Sewing — que em 8 de abril substituiu John Cryan à frente do banco — anunciou “duras decisões”, incluindo a redução do setor da banca de investimento e uma “nova definição do núcleo” do banco.

“Alteraremos agora o curso do nosso banco. Não há tempo a perder”, disse Sewing numa teleconferência e sublinhou que os resultados da entidade pedem “ações imediatas”. O banco vai concentrar-se no negócio de financiamento e assessoria na Europa.

A partir de 2021, o setor da banca privada e empresarial assim como a filial de fundos de investimento DWS — que saiu de Bolsa há cerca de um mês — deverão representar cerca de metade dos resultados do banco, indicou o presidente. O negócio nos Estados Unidos e na Ásia será reduzido, onde não haja atividades transfronteiriças, e as operações de juros nos Estados Unidos sofrerão um corte considerável.

A direção vai analisar detalhadamente o negócio em bolsa em todo o mundo e este será reduzido em alguns setores.

“As nossas raízes estão na Europa — é aqui onde queremos oferecer soluções financeiras globais às empresas e às instituições, e é nisso que nos vamos concentrar ainda mais no futuro”, afirmou Sewing. Sewing já tinha pedido no dia a seguir ao da tomada de posse uma “mentalidade de caçadores” aos cerca de 97 mil trabalhadores do banco em todo o mundo e anunciado “decisões duras”.

A reestruturação da banca de empresas e de investimento vai supor uma redução de postos de trabalho nas regiões atingidas, apesar da entidade não ter adiantando mais pormenores. “Estes cortes são dolorosos, mas lamentavelmente inevitáveis se queremos que o nosso banco seja capaz de competir de forma sustentável”, afirmou o presidente.