Aeroporto de Lisboa

Revista a ambulância no aeroporto de Lisboa atrasa socorro em 20 minutos

954

Segurança impede passagem imediata de INEM e faz revista à equipa, atrasando socorro a paciente. Correio da Manhã garante que ambulância foi retida durante 20 minutos.

Aeroporto de Lisboa

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Uma ambulância do INEM foi impedida de passar imediatamente numa passagem de acesso restrita do Aeroporto de Lisboa, este sábado, atrasando em 20 minutos o socorro a uma paciente epilética que desmaiou e se feriu o queixo. A informação é dada pelo jornal Correio da Manhã, que garante que segurança disse não ter autorização para deixar ambulância passar.

O incidente ocorreu na manhã de sábado, pelas 8h30, quando a equipa do INEM foi barrada na passagem conhecida por P6, de acesso restrito, por um segurança. Apesar de estarem no local agentes da PSP com informação para acompanhar a equipa médica até à doente, o INEM só pode passar depois de vir a autorização formal, cerca de 20 minutos depois. Pelo meio, seguranças fizeram vistoria à ambulância e revista à equipa.

A paciente que esperou 20 minutos por socorro era uma passageira norte-americana de 43 anos, que sofre de epilepsia e que desmaiou, ferindo-se no queixo ao cair na pista. Segundo o Correio da Manhã, quando foi finalmente assistida estava em hipotermia e hipotensa (com temperatura corporal e pressão arterial baixas). No Hospital de Santa Maria, para onde foi transportada, foi-lhe dada pulseira laranja, o segundo grau mais urgente na escala de triagem do sistema de Manchester.

A polícia confirmou ao CM que o acesso à passagem P6 é restrita e cumpre normas de segurança internacionais, mas que elaborou um auto sobre o ocorrido. A ANA (Aeroportos de Portugal) não comentou o incidente em causa, alegando não ter ainda conhecimento do episódio.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)