Stephen Hawking

O que diz a última teoria de Stephen Hawking sobre a origem do universo

619

O universo é finito e mais simples do que pensamos. Esta foi a última ideia que Stephen Hawking partilhou com o mundo sobre a origem do universo antes de morrer. Agora o estudo foi tornado público.

Getty Images

Vem em todos os livros de ciência: a teoria mais aceite para explicar a origem do universo diz que tudo começou depois de um ponto muito quente e denso ter explodido e entrado numa expansão que dura há cerca de 14 mil milhões de anos. É a teoria do Big Bang, um nome que começou por ser ironicamente usado por Fred Hoyle para ridicularizar a proposta “do átomo primordial” de Georges Lemaître, baseada na teoria da relatividade geral de Einstein. Antes de morrer, no entanto, o físico teórico Stephen Hawking torceu o nariz à ideia de que o universo ainda está em expansão: para ele, o universo é finito e muito mais simples do que pensamos. Isso mesmo foi explicado no estudo “Uma breve saída da inflação eterna?”, publicado esta quarta-feira. Se for confirmada, esta teoria obrigará a reescrever as mais pesadas enciclopédias científicas.

Estas ideias, que Stephen Hawking partilhou e trabalhou com o físico belga Thomas Hertog, já tinham sido anunciadas no ano passado por ocasião numa conferência da Universidade de Cambridge para celebrar o 75º aniversário do cosmólogo britânico. “A teoria usual de inflação eterna prevê que globalmente o nosso universo é como um fractal infinito, com um mosaico de universos de bolso separados por um oceano inflável”, disse Hawking. “As leis locais de física e da química podem diferir de um universo de bolso para outro, que juntos formariam um multiverso. Mas eu nunca fui fã do multiverso. Se a escala de diferentes universos no multiverso é grande ou infinita, a teoria não pode ser testada”, explicou o cientista.

No estudo, que foi publicado no Journal of High Energy Physics, Stephen Hawking e o colega Thomas Hertog defendem que esse oceano inflável não está em expansão infinita: “O problema com a inflação eterna é que ela assume um universo de fundo existente que evolui de acordo com a teoria da relatividade geral de Einstein e que trata os efeitos quânticos como pequenas flutuações. No entanto, a dinâmica da inflação eterna elimina a separação entre a física clássica e a física quântica. Por consequência, a teoria de Einstein deixa de fazer sentido”, concretiza o físico belga de 42 anos. Essa explicação resume aquilo que Stephen Hawking já tinha dito antes de morrer a 14 de março: “Prevemos que nosso universo, nas maiores escalas, é razoavelmente simples e globalmente finito. Portanto, não é uma estrutura fractal”.

No fundo, o que Stephen Hawking e Thomas Hertog fizeram foi seguir os passos contrários aos de Georges Lemaître: em vez de explicar o universo à luz da teoria da relatividade geral de Albert Einstein, que ficou provada com a descoberta oficial das ondas gravitacionais, procuraram explicá-lo sem depender dessa teoria. Na verdade, a teoria proposta pelos dois cientistas baseia-se na teoria das cordas, um ramo da física teórica que tenta conciliar a física clássica com a física quântica, descrevendo os constituintes fundamentais do universo como minúsculas cordas vibrantes. Segundo a teoria das cordas, o universo é um holograma gigantesco onde a realidade física a três dimensões pode ser reduzida a projeções bidimensionais.

De acordo com Thomas Hertog, “quando traçamos a evolução do nosso universo de trás para a frente no tempo, chegamos ao limiar da inflação eterna, onde a nossa noção comum de tempo deixa de ter significado”. É a isto que se resume a última ideia que Stephen Hawking assinou antes de morrer e que até contrariava uma teoria que ele próprio apresentou há muitos anos quando defendeu a “teoria sem fronteira”, segundo a qual recuando no tempo, o universo começava a encolher-se e fechar-se-ia numa esfera. Essa teoria foi abandonada por Stephen Hawking: “Agora estamos a dizer que há um limite no nosso passado”, concretiza Hertog.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
477

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)