FC Porto

Com raízes na Alemanha, esta é a origem do novo cântico do FC Porto

O FC Porto criou um novo cântico para o clube em vésperas de fim de semana decisivo para o título do campeonato. A canção é inspirada num tema alemão, criado em 1951.

Há um novo cântico para o Futebol Clube do Porto e já foi partilhado, esta quinta-feira, nas redes sociais. “Azul e Branco é o Coração” herda para o seu título um verso que já existia na letra de uma outra canção portista, normalmente cantada pelos adeptos em dia de jogo. A data da publicação da música não é um acaso: surge em vésperas de um fim de semana decisivo para o campeonato português. E a matemática está do lado do FC Porto — basta que o Benfica e o Sporting empatem no sábado ou que o Porto empate ou ganhe no domingo frente ao Feirense para que o clube azul e branco conquiste o ponto que lhe falta para ser campeão nacional.

Azul e Branco é o Coração

Esta música é tua. Prepara a tua voz.Domingo, o teu apoio é fundamental.Azul e Branco é o Coração ????#FCPorto

Posted by FC Porto on Thursday, May 3, 2018

A canção tem quase três minutos e foi publicada na página oficial de Facebook do Futebol Clube do Porto, ao início da tarde, com a mensagem: “Esta música é tua. Prepara a tua voz. Domingo, o teu apoio é fundamental.” O videoclip do cântico inclui imagens dos adeptos com bandeiras portistas, dos futebolistas em campo e alguns dos golos mais memoráveis do clube.

A canção foi criada por Alberto Indio, músico de 38 anos, natural do Porto, que canta música pop e rock. Tal como o próprio explica na página profissional que mantém no YouTube, este novo cântico oficial do FC Porto é uma adaptação da música “Oh Wie ist das schön”, da autoria de um escritor alemão chamado Walter Rothenburg.

A canção original, cujo nome significa “Oh, que bonito que isto é”, foi interpretada pelo Quarteto Comediante em 1951 e composta por Willibald Quanz para ser uma música popular. Uma das passagens dizia: “Um dia assim tão bonito como este, um dia assim nunca deveria acabar.  Estou tão feliz por isto que um dia assim nunca deveria acabar.”

A música acabou por tornar-se num cântico do futebol alemão, interpretado desde 2006 por Mickie Krause e que está para a Alemanha como “Vamos Lá Cambada” de Herman José está para Portugal.

Agora, a música serviu de inspiração a Alberto Indio, que também foi responsável pelos arranjos da melodia ao lado de Rodolfo Cardoso e de Artur Guimarães.

Só no Facebook do clube, “Azul e Branco é o Coração” já recolheu 346 mil visualizações.

A letra diz: “Porto é uma nação, eterno campeão. Azul e branco é o coração: Porto, jamais podem apagar a nossa história. Oh, meu Porto, dá-nos mais uma vitória: é invicta, indomável, imortal a cidade que deu nome Portugal.” E prossegue: “Com orgulho na pronúncia do norte, sou do Porto e vou ser até à morte. Há magia na bancada do Dragão: temos fé, orgulho, honra e tradição.”

O cântico parece ter agradado aos adeptos portistas, que já encheram a caixa de comentários da publicação. Um deles, Bruno Lopes, que tem na imagem principal do Facebook o próprio símbolo do FC Porto, admite que anda “a cantarolar” a música para a decorar até domingo: “A essa e à Penta Ciao, claro”, uma música feita para o Benfica — o clube dos encarnados precisa de ganhar ao Sporting no sábado para continuar na luta pelo título — e que resulta de uma adaptação da música “Bella Ciao”, popularizada em Portugal com a série “La Casa de Papel”.

 

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)