Rádio Observador

Millennium Estoril Open

João Sousa vence Tsitsipas e faz história no Estoril Open, chegando à sua décima final no ATP

1.610

João Sousa vence Tsitsipas, um dos jovens em maior destaque no momento, e qualifica-se para a final do Estoril Open, a décima da carreira no circuito ATP, repetindo o feito de Frederico Gil em 2010.

João Sousa venceu mais uma "batalha" no Estoril Open, desta vez no tie break do terceiro e último set

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Ainda antes deste Estoril Open, o nome de Stefanos Tsitsipas começou a ganhar um destaque próprio de quem, a médio prazo, estará a lutar por outros objetivos no circuito mundial de ténis: além de ter chegado ao 44.º lugar do ranking (o melhor de sempre de um jogador grego da Era Open), o grego atingiu a primeira final no ATP (em Barcelona, frente a Rafa Nadal) e viu o seu nome surgir numa série de publicações com uma história cativante: filho do helénico Apostolos Tsitsipas, treinador de ténis, e da russa Yuliya Salnikova-Tsitsipas, antiga jogadora e atual técnica, e neto do antigo futebolista e medalha de ouro nos Jogos Olímpicos Sergei Salnikov (fez carreira no Dínamo e no Spartak Moscovo, equipa que também treinou), começou a jogar num resort com apenas três anos orientado pelos pais antes de rumar à escola de Patrick Mouratoglou, técnico de Serena Williams, sem qualquer apoio do país (algo que ainda se mantém) por causa dos cortes após a grave crise económica. Um trajeto a continuar a seguir, mas não neste torneio: João Sousa foi mais forte e apurou-se para o encontro decisivo.

O encontro começou com os dois jogadores a vencerem os respetivos jogos de forma imponente e com o primeiro serviço a fazer (e muito) a diferença. Ao sétimo encontro, depois de um jogo de serviço onde fez o 3-3 com um fantástico amorti, João Sousa conseguiu finalmente o primeiro break do encontro e chegou mesmo a ter outro ponto de break que seria também set point, neste caso com Tsitsipas a conseguir salvar o seu jogo de serviço. Mas o melhor estava guardado para o fim do primeiro set: com desvantagens de 0-30 e 15-40, o vimaranense conseguiu salvar dois breaks (o último numa grande bola quando o grego já tinha subido à rede para tentar fazer o smash) e fechou mesmo o jogo nas vantagens, ganhando por 6-4.

Depois, o eclipse: à semelhança do que tinha acontecido na véspera frente a Kyle Edmund, 23.º do mundo e terceiro cabeça de série no Estoril, João Sousa teve uma série de erros não forçados no segundo set, sofrendo breaks nos dois primeiros encontros de serviço e perdendo por claros 6-1 frente a um Tsitsipas em claro crescendo e a dominar por completo a partida.

O terceiro e decisivo set recuperou o equilíbrio do primeiro. Ou até um pouco mais: os dois jogadores foram forçando erros ao adversário nos seus serviços e ganhando os respetivos jogos (o português chegou a ter um prometedor 0-30 no oitavo mas permitiu a recuperação do grego) até ao 6-6 e respetivo tie break, onde João Sousa foi mais forte (7-4) após mais de duas horas de jogo e fez história, ao tornar-se no segundo português a chegar à final do Estoril Open depois de Frederico Gil, em 2010. Mas o dia não ficará por aqui, porque o português vai ainda fazer outra meia-final, neste caso de pares.

É uma semana de sonho. Sempre disse que era o ano em que vinha melhor preparado e estou a conseguir jogar um bom ténis. Têm sido batalhas, sempre com um apoio fantástico deste público que me tem ajudado muito. Vencer Tsitsipas, que é um excelente jogador, dá-me muita confiança. Final? Gostaria de jogar com o Pablo, que é um amigo fora de campo e tem feito excelentes carreiras aqui no Estoril Open”, destacou João Sousa na flash interview à TVI 24.

O outro finalista sairá do duelo entre o americano Frances Tiafoe e o espanhol Pablo Carreno, vencedor da edição do ano passado que já tinha estado na final em 2016, perdendo com o compatriota Nicolás Almagro, naquela que será a décima final no circuito ATP, quinta em terra batida onde nunca conseguiu vencer (ganhou em Kuala Lumpur, em 2013, e Valência, em 2015, ambos em piso rápido, perdendo na terra batida de Bastad, Genebra, Umag e Kitzbühel).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)