Moçambique

Ossufo Momade nomeado coordenador da comissão política nacional da Renamo

Ossufo Momade foi escolhido como "coordenador dos trabalhos da comissão política nacional" da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) após a morte do presidente do partido, anunciou o órgão.

RICARDO FRANCO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Ossufo Momade foi escolhido como “coordenador dos trabalhos da comissão política nacional” da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) após a morte do presidente do partido, anunciou este sábado aquele órgão.

A escolha do tenente-general foi feita por unanimidade durante a primeira reunião daquela estrutura depois do falecimento de Afonso Dhlakama, um encontro que decorreu na sexta-feira e este sábado, na cidade da Beira.

O dirigente da Renamo explicou, em conferência de imprensa, ter sido designado “para que coordene a comissão política até à realização do conselho nacional ou congresso da Renamo”, ainda sem tem data marcada. “A partir daí vamos ter alguém para decidir em relação aos destinos do partido”, acrescentou Momade, sem mais pormenores. “Deixem-nos realizar o funeral do nosso presidente. Não é altura de procurarmos o dia e a data em relação àquilo que vai acontecer no futuro”, concluiu.

Ossufo Momade era até agora chefe do departamento de defesa da Renamo. Foi ainda nessa qualidade que na sexta-feira à noite leu o primeiro comunicado oficial do partido, em que a Renamo confirmava a morte do seu líder.

Afonso Dhlakama morreu na quinta-feira pelas  8 horas, aos 65 anos, na Serra da Gorongosa, devido a complicações de saúde. O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, referiu à Televisão de Moçambique (TVM) que foram feitas tentativas para o transferir por via aérea para receber assistência médica no estrangeiro, mas sem sucesso.

Fontes partidárias contaram à Lusa que o presidente do principal partido da oposição moçambicana morreu quando um helicóptero já tinha aterrado nas imediações da residência, na Gorongosa, para tentar transferi-lo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)