Podemos encontrar algumas situações em que um dérbi na penúltima jornada é decisivo para o Campeonato e nem é preciso ir muito longe: em 2004/05, na Luz, um golo de Luisão a sete minutos do final colocou o Benfica na frente e relegou o Sporting para o terceiro lugar em vésperas de final da Taça UEFA em Alvalade (que também perderia, com o CSKA Moscovo). Apenas por uma vaga na Liga dos Campeões, houve apenas uma vez. E com alguns pontos em comum no trajeto das duas equipas.

Em 2003/04, o Sporting de Fernando Santos perdeu no Bessa e em Leiria na 31.ª e 32.ª jornadas e acabou por dar hipóteses ao Benfica de discutir ainda o segundo posto, recuperando seis pontos antes do dérbi. Aí, o empate acabava também por favorecer os leões mas, depois de um jogo aberto, com muitas oportunidades e o guarda-redes Moreira a brilhar, foi um golo de Geovanni a três minutos do final que colocou o conjunto de José António Camacho na frente e de forma decisiva (o jogo ficou também marcado por uma invasão de campo, que acabou por ser rapidamente controlada). Agora, a situação está invertida: com as derrotas caseiras com FC Porto e Tondela, as águias perderam seis pontos para a equipa verde e branca, que passou a depender apenas de si para chegar ao segundo posto. Não sendo um título, tem impacto nas contas como tal.

A UEFA continua a não confirmar nada oficialmente a nível de valores, mas é certo que haverá uma subida substancial de prémios, reforçando aquela ideia de Liga milionária. Alguns exemplos, avançados em algumas publicações como o Mundo Deportivo: o prémio de entrada na fase de grupos passa de 12,7 para 15 milhões; a vitória por jogo sobe de 1,5 para 2,7 milhões (o empate quase que duplica, de 500 para 900 mil euros); a passagem aos oitavos inflaciona de 6,5 para 9,5 milhões. Em termos práticos, e convertendo as campanhas da presente temporada nos novos valores, o FC Porto passaria dos 23,7 para os 33,5 milhões de prémios; e o Sporting recebia 5,1 milhões a mais (de 16,2 para 21,3 milhões). Mas há mais, neste caso com uma vantagem para o Benfica em relação à equipa verde e branca. Uma vantagem quantificável: o dobro.

De acordo com o jornal A Bola, haverá um bónus que está ligado ao ranking dos últimos dez anos e que, neste particular, favorece muito mais o Benfica do que o Sporting: como os encarnados ocupam o décimo lugar nessa tabela com 179,000 pontos, poderiam receber em caso de passagem à fase de grupos um total de 40 milhões de euros logo à cabeça, entre os 15 de prémio e os 25 de bónus. Já os leões, que estão no 34.º posto, receberiam 20 milhões, somando os 15 de prémio e aos cinco de bónus. Esse bónus será a dividir entre o bolo total de 528 milhões de euros, havendo ainda a questão do market pool das receitas televisivas, que mesmo baixando 200 milhões representará um valor global de 300 milhões de euros. A título de curiosidade, o top-10 desse ranking é ocupado por Real Madrid, Barcelona, Bayern, Atl. Madrid, Manchester United, Chelsea, Juventus, FC Porto, Arsenal e Benfica, por esta ordem, com claro destaque para os três primeiros em termos de diferença pontual.

Esta noite é dia de dérbi em Alvalade. E, nos dérbis, joga-se sempre pela honra e não pelo dinheiro. Ainda assim, estarão muitos milhões em jogo nestes 90 minutos. Bem mais do que nos anos transatos, mesmo que o segundo classificado tenho ainda de fazer a terceira pré-eliminatória e o playoff de apuramento para a fase de grupos.