Rádio Observador

Primeira Liga NOS

Um dérbi é sempre pela honra e não pelo dinheiro mas há mais milhões em jogo do que se possa pensar

Vitória do Sporting vale segundo lugar, vitória do Benfica vale segundo lugar, empate sem golos dá vantagem aos leões, empate com golos dá vantagem às águias. Depois há a honra. E muito dinheiro.

Sporting e Benfica tentam chegar o mais alto possível: segundo lugar vale entrada da Liga dos Campeões

AFP/Getty Images

Podemos encontrar algumas situações em que um dérbi na penúltima jornada é decisivo para o Campeonato e nem é preciso ir muito longe: em 2004/05, na Luz, um golo de Luisão a sete minutos do final colocou o Benfica na frente e relegou o Sporting para o terceiro lugar em vésperas de final da Taça UEFA em Alvalade (que também perderia, com o CSKA Moscovo). Apenas por uma vaga na Liga dos Campeões, houve apenas uma vez. E com alguns pontos em comum no trajeto das duas equipas.

Em 2003/04, o Sporting de Fernando Santos perdeu no Bessa e em Leiria na 31.ª e 32.ª jornadas e acabou por dar hipóteses ao Benfica de discutir ainda o segundo posto, recuperando seis pontos antes do dérbi. Aí, o empate acabava também por favorecer os leões mas, depois de um jogo aberto, com muitas oportunidades e o guarda-redes Moreira a brilhar, foi um golo de Geovanni a três minutos do final que colocou o conjunto de José António Camacho na frente e de forma decisiva (o jogo ficou também marcado por uma invasão de campo, que acabou por ser rapidamente controlada). Agora, a situação está invertida: com as derrotas caseiras com FC Porto e Tondela, as águias perderam seis pontos para a equipa verde e branca, que passou a depender apenas de si para chegar ao segundo posto. Não sendo um título, tem impacto nas contas como tal.

A UEFA continua a não confirmar nada oficialmente a nível de valores, mas é certo que haverá uma subida substancial de prémios, reforçando aquela ideia de Liga milionária. Alguns exemplos, avançados em algumas publicações como o Mundo Deportivo: o prémio de entrada na fase de grupos passa de 12,7 para 15 milhões; a vitória por jogo sobe de 1,5 para 2,7 milhões (o empate quase que duplica, de 500 para 900 mil euros); a passagem aos oitavos inflaciona de 6,5 para 9,5 milhões. Em termos práticos, e convertendo as campanhas da presente temporada nos novos valores, o FC Porto passaria dos 23,7 para os 33,5 milhões de prémios; e o Sporting recebia 5,1 milhões a mais (de 16,2 para 21,3 milhões). Mas há mais, neste caso com uma vantagem para o Benfica em relação à equipa verde e branca. Uma vantagem quantificável: o dobro.

De acordo com o jornal A Bola, haverá um bónus que está ligado ao ranking dos últimos dez anos e que, neste particular, favorece muito mais o Benfica do que o Sporting: como os encarnados ocupam o décimo lugar nessa tabela com 179,000 pontos, poderiam receber em caso de passagem à fase de grupos um total de 40 milhões de euros logo à cabeça, entre os 15 de prémio e os 25 de bónus. Já os leões, que estão no 34.º posto, receberiam 20 milhões, somando os 15 de prémio e aos cinco de bónus. Esse bónus será a dividir entre o bolo total de 528 milhões de euros, havendo ainda a questão do market pool das receitas televisivas, que mesmo baixando 200 milhões representará um valor global de 300 milhões de euros. A título de curiosidade, o top-10 desse ranking é ocupado por Real Madrid, Barcelona, Bayern, Atl. Madrid, Manchester United, Chelsea, Juventus, FC Porto, Arsenal e Benfica, por esta ordem, com claro destaque para os três primeiros em termos de diferença pontual.

Esta noite é dia de dérbi em Alvalade. E, nos dérbis, joga-se sempre pela honra e não pelo dinheiro. Ainda assim, estarão muitos milhões em jogo nestes 90 minutos. Bem mais do que nos anos transatos, mesmo que o segundo classificado tenho ainda de fazer a terceira pré-eliminatória e o playoff de apuramento para a fase de grupos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)