Rádio Observador

Caso José Sócrates

César explica mudança do PS sobre Sócrates: “Situação adensou”

666

O presidente do PS explicou que fez a declaração que fez sobre Sócrates porque "era o que precisava de ser feito". Fernando Medina considera que situação acabou "como teria de ter acabado".

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O presidente e líder parlamentar do PS admite que com o adensar da situação, com o caso Manuel Pinho, “impunha-se da parte do PS aclarar posições”. É assim que Carlos César explica a mudança de estratégia do PS, na última semana, sobre os casos judiciais em que estão envolvidos ex-governantes do partido, à cabeça o ex-líder José Sócrates. “Era o que precisava de ser feito”, diz sobre a sua declaração que levou à saída de Sócrates do PS. Fernando Medina acredita que situação “acabou como teria de ter acabado”.

No frente-a-frente com Santana Lopes, na SIC-Notícias, Carlos César não é claro sobre a existência de uma estratégia da cúpula do partido para mudar a posição sobre Sócrates: “Não interrompo um debate para perguntar ao secretário-geral o que vou dizer a seguir”. Questionado diretamente sobre a existência de uma concertação, César nunca responde, afirmando apenas que não fez “declarações levianas. Pensei o que estava a dizer”. “Era o que precisava de ser feito e as outras pessoas [dirigentes do PS] tiveram o mesmo entendimento”, argumentou.

Ainda assim, quando questionado sobre a surpresa de António Costa perante as suas declarações, o líder parlamentar do PS dá a entender que não terá sido bem assim: “Tanto quanto sei, o primeiro-ministro e secretário-geral do PS não disse ao Expresso o que ele disse que ele disse”. Já na TVI24, à mesma hora, Fernando Medina, rejeitava qualquer concertação. “Não houve concertação sobre matéria alguma”.

Memso assim, o socialista admitiu que “a situação acabou como teria de ter acabado. Havia visões diferentes. Agora Sócrates fica livre para fazer a sua defesa” e que existiam “visões diferentes sobre o posicionamento” do PS na questão de Sócrates. O ex-primeiro-ministro “entendia que o processo tinha uma natureza iminentemente política. O PS disse desde início que este é um processo judicial”.

Medina foi um dos dirigentes do PS que fez declarações sobre os casos de justiça, sendo o mais relevante o de Carlos César que foi o primeiro a falar no sentimento de “vergonha”, na semana passada, desencadeando uma sucessão de declarações de dirigentes socialistas que culminaram na saída de Sócrates de militante socialista. O autarca diz, no entanto, que apesar de “surpreso” pela saída de Sócrates, “depois de passados os dias e de refletir e ver as razões da saída”, acabou por vê-la “com mais naturalidade porque a verdade é que José Sócrates equacionou bem a questão. Havia um desconforto”, admitiu Medina.

O PS está a responder a uma perceção que adquirimos face ao adensamento de uma situação que por via das acusações a Manuel Pinho se tornou muito evidente na sociedade portuguesa”, disse César

Já quanto a Carlos César, o líder parlamentar explicou na SIC-Notícias que a mudança de posição do PS aconteceu porque “com o ministro Manuel Pinho ocorreu um adensamento das circunstâncias que penalizam a confiança na política e dos representados nos representantes e impunha-se da parte do PS aclarar o posicionamento sobre estas matérias”. E o partido fez isso, segundo sublinhou o seu presidente, “através dos principais dirigentes”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)