A associação feminista Capazes, da qual Rita Ferro Rodrigues é presidente, recebeu mais de 73 mil euros de fundos comunitários no âmbito do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE) do Portugal 2020, para realizar um novo projeto centrado na região do Alentejo. Chama-se “Clubes Capazes” e quer debater a igualdade de género, durante o mês de maio, em quatro municípios alentejanos: Odemira, Portalegre, Elvas e Ponte de Sor.

Há 18 oradores no programa de quatro ciclos de conferências. Há políticos, académicos, atores — e até youtubers. Entre os políticos estão a deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua e a deputada do PS Catarina Marcelino. Francisco Soares, conhecido por KIKO, e Yolanda Tati integram a lista de youtubers que fazem parte dos oradores. E há ainda o apresentador João Baião — que trabalhou com Rita Ferro Rodrigues no programa “À Tarde”, na SIC — e a atriz Mariana Monteiro. Porquê estes nomes? “Levamos a academia connosco mas também pessoas com as quais as populações se identificam“, disse ao Observador a presidente da Capazes.

O primeiro ciclo de conferências arrancou no dia 4 de maio, em Odemira. Já foi entretanto realizado outro ciclo, no dia 10, em Portalegre. Faltam dois com datas marcadas para 17, em Elvas, e 29, em Ponte de Sor. No final, haverá ainda três ações em Lisboa destinadas a adultos “para capacitação”.

Os quatro ciclos de conferências estão divididos também em quatro temas “transversais”: estereótipos de género; desigualdade económica e género; escola e género; violência no namoro. Na apresentação do programa, a associação deu exemplos de algumas das perguntas a debater. “Se não há sexismo na escola, por que é que a responsabilidade da turma é tantas vezes atribuída a um rapaz (mesmo quando há mais raparigas na turma)?” ou “Quem falta ao trabalho para ir comigo às consultas, a mãe ou o pai?” são algumas delas.

“Quando vou às autarquias não vejo de que partido são”

Porque é que foi escolhido o Alentejo? “Sabíamos, por referências da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG), que [o Alentejo] era uma área carenciada neste tipo de ações“, explicou Rita Ferro Rodrigues ao Observador. Um dos objetivos deste projeto era “levar a Capazes e os oradores a sítios onde normalmente não existe contacto direto da associação com as populações”. Além de “plantar sementes”, a Capazes queria “descentralizar”, disse ao Observador a coordenadora do projeto, Silvia Lazary de Matos. “Todas as ações estão centralizadas nos grandes centros urbanos”, acrescentou.

Rita Ferro Rodrigues admite que sentiu que a associação precisava de “sair da luta nas redes sociais para a rua”.

Antes de “pôr o projeto na rua”, a associação feminista fez uma pesquisa junto das autarquias para perceber se “cumpriam critérios de necessidades óbvias”, como espaço para a realização das conferências, e se “estavam interessadas” no projeto Clubes Capazes. As câmaras escolhidas foram Odemira, Portalegre, Elvas e Ponte de Sor. São todas do PS, exceto a de Portalegre que é independente. A filha do atual presidente da Assembleia da República, o socialista Ferro Rodrigues, garantiu que o partido que controla as autarquias onde serão realizadas as conferências são um “dado” que lhe “passa ao lado”. “Quando vou às autarquias não vejo de que partido são”, assegurou ainda, reforçando que o critério foi escolher as que “tinham projetos para a igualdade de género”. Associar a escolha das autarquias ao partido será “mais um julgamento das pessoas” do que seu, diz.

A ideia já tinha mais de dois anos. Foi em 2016 que a Capazes se candidatou a um fundo comunitário no âmbito do POISE, do Portugal 2020, do qual recebeu 73.856 euros — um valor que Rita Ferro Rodrigues considera ser “pouco”. A presidente da associação, que deixou a SIC há dois meses, sublinha: “Não sou remunerada”. O “Clubes Capazes” tem ainda o apoio da Seat, que emprestou carros abastecidos à associação.

O projeto ainda vai a meio. Faltam duas conferências. Mas, para Sílvia Lazary de Matos, as expetativas já foram superadas. Rita Ferro Rodrigues diz que deixaram “pessoas à porta” porque não estavam “à espera de tanta gente”. “É estimulante falar com os jovens e perceber que estão interessados nesta temática”, contou a coordenadora, adiantando que será feito “um balanço” depois de concluídos os quatro ciclos de conferências para decidir um eventual recandidatura ao Portugal 2020.

“Contas e mais despesas do Clubes Capazes são públicas e escrupulosamente fiscalizadas”

Num publicação na página da associação feminista no Facebook feita esta sexta-feira, a Capazes confirmou que foi-lhes “atribuída a verba de 73.856,00 euros” e esclareceu que “dessa verba” a associação recebeu desde a data de candidatura, a 13 de dezembro de 2016, “a quantia de 8.917,87 euros”.

A Capazes revelou o valor que recebem os trabalhadores envolvidos no projeto. Desde dezembro de 2015, “trabalharam no projeto uma coordenadora e uma técnica” até 30 de abril de 2017. O vencimento recebido foi o “previsto nas candidaturas de 835,54  e 1.100,00 euros”. A associação explica ainda que essas trabalhadoras foram “posteriormente substituídas por um técnico e uma coordenadora, a 14 de novembro de 2017, cumprindo as imposições da candidatura”. A coordenadora com uma remuneração mensal de 1.100,0 euros e o técnico de 1.000,00 euros. Na mesma publicação, a Capazes escreve ainda que “o projeto tem um técnico de contas (igualmente obrigatório), que recebe o vencimento mensal de 400,00 euros” e uma auditora independente que avalia a concretização dos objetivos propostos (igualmente obrigatório)”. Essa auditoria “já foi remunerada em 400,00 euros pela primeira fase do mesmo, faltando ainda receber 3.100,00 euros pela totalidade do trabalho efetuado ao longo de dois anos”, esclarece ainda a associação, adiantando que “os oradores e a moderadora não recebem qualquer remuneração pelo trabalho prestado”.

Quando ao ciclo de conferências, a Capazes explicou que estão oito ações programadas, embora no programa do Clubes Capazes estejam só presentes quatro ciclos de conferências. São “cinco conferências e três sessões de informação e divulgação para cronistas e agentes de outras entidades da sociedade civil”. A associação esclarece que “foram contactadas oito autarquias”. Desses contactos, “três não responderam ou não mostraram interesse em receber a iniciativa (a saber, Campo Maior, Beja e Montemor-o-Novo)”.

“As contas e mais despesas do projeto Clubes Capazes são públicas e escrupulosamente fiscalizadas. Podem ser consultadas por qualquer cidadã ou cidadão”, acrescenta ainda a associação na publicação.

[Artigo modificado no dia 11 de maio com a resposta da associação feminista Capazes, publicada na página do Facebook da mesma]