Eutanásia

Cientista de 104 anos viajou para a Suíça para se submeter a eutanásia. “Obrigar alguém a permanecer vivo é cruel”

2.425

David Goodall diz que a sua vida já não merece ser vivida. Espera que a divulgação do seu caso possa levar a mudanças noutros países e diz que "obrigar alguém a permanecer vivo é cruel".

Getty Images

David Goodall tinha 104 anos, quatro filhos e 12 netos. O australiano — apesar de ter nascido em Londres — durante toda a sua vida dedicou-se à ciência: foi botânico e ecologista. No início desde mês viajou para a Suíça desde Perth, na Austrália, com o objetivo de se submeter ao procedimento de morte medicamente assistida. Ao fim de um século e quatro anos, Goodall considerou que a sua vida já não merecia ser vivida e esperava que a sua história pudesse levar à legalização da eutanásia noutros países. O cientista recorreu à clínica ‘Life Circle’, em Basileia, onde acabou por morrer esta quinta-feira, um desejo que já tinha há algum tempo.

Numa entrevista à CNN, Goodall confessou que a sua vida deixara de ser agradável “há cinco ou 10 anos”, em parte devido aos problemas de mobilidade e de visão. Goodall passou grande parte da vida no campo e dizia que gostava de ainda ser capaz de o fazer: “Eu adorava ter capacidade de ainda ir para o mato outra vez e ver tudo que está à minha volta”, contava.

Com a minha idade, levanto-me e tomo o pequeno almoço. Depois fico sentado até à hora do almoço. A seguir, almoço e e sento-me de novo. Qual é a utilidade disto?”, lamentava.

A eutanásia é ilegal na Austrália, embora o estado de Vitória tenha planos para a legalizar em 2019. Já a Austrália Ocidental, o estado onde o cientista vivia, encontra-se atualmente a debater o assunto.

David Goddal tem passado os últimos dias na clínica ‘Life Circle’, em Basileia (AFP/Getty Images)

Há algumas semanas, Goddall tentou suicidar-se. Acordou no hospital e os médicos mantiveram-no internado, considerando que ele era um risco para si mesmo. Só depois de um relatório psiquiátrico independente pedido pela filha é que a sua saída foi permitida. A propósito deste episódio, Goddall disse que “obrigar alguém a permanecer vivo, mesmo quando já não há nada para viver” é “cruel”.

O cientista era membro da ‘Exit Internationl’, uma instituição que pretende informar e dar orientação a quem pretende submeter-se à eutanásia e esperava que a divulgação do seu caso pudesse levar a mudanças noutros países.

Eu gostava que outros países seguissem a Suíça e disponibilizassem estes recursos a todas as pessoas, desde que cumpram todos os requisitos; não só a idade, mas também capacidade psíquica.”

Também o fundador da instituição, Philip Nitschke, considera, citado pela CNN, que “qualquer adulto devia poder aceder aos fármacos que lhe permitissem morrer pacificamente” e diz que a possibilidade de viajar até à Suíça está aberta a qualquer um, desde que tenha um bom motivo e preencha os critérios necessários.

Goddall foi professor em vários países, como o Reino Unido, Estados Unidos e Austrália. Em 2016 foi condecorado com a Medalha de Ordem da Austrália. A poucos dias de morrer, o homem de 104 anos deixou um conselho às gerações mais novas: “Agarrem todas as oportunidades, desde que isso não cause danos noutras pessoas”.

Esta quinta-feira, os médicos introduziram uma agulha intravenosa com Pentobarbital no braço de Goddall e depois o cientista auto-administrou o fármaco. Dizia que não tinha medo da morte e que lhe daria “as boas-vindas quando ela chegar”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

A voz e o voto pró-vida em Portugal

José Maria Seabra Duque
209

Vamos entrar em ano de eleições, primeiro europeias, depois legislativas, e a Federação Portuguesa pela Vida vai lançar um questionário a todos os partidos e cabeças de listas que a elas concorrerem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)