Ciência

Trabalhos de investigação na área do cancro, obesidade e tuberculose ganham 60 mil euros

157

Os prémios Jansen atribuídos na área da saúde distinguiram este ano investigação na área da imunoterapia, neurociências e infecciologia. Três prémios num total de 60 mil euros.

Getty Images/iStockphoto

Se os linfócitos em vez de ajudarem a combater o cancro, prejudicam essa defesa, vamos neutralizá-los. Se a proteína ataxina-2 desregulada pode causar doenças, vamos torná-la um alvo dos tratamentos médicos. Se um tratamento contra  uma bactéria pode torná-la resistente, vamos dirigir a terapia ao hospedeiro. Estas são as três propostas em saúde distinguidas este ano pelos prémios Jansen.

Em 2018, realiza-se a segunda edição destes prémios, uma iniciativa da companhia farmacêutica Janssen Portugal em parceria com a Universidade Católica Portuguesa, para distinguir trabalhos de investigação na área da saúde. Foram atribuídos três prémios no valor de 60 mil euros e quatro menções honrosas, todos eles nas áreas da imunologia, neurociências, infecciologia e hipertensão celular. A Comissão de Avaliação do Prémio Janssen Inovação foi presidida por Jorge Sampaio, antigo Presidente da República.

Os linfócitos que dificultam o combate ao cancro

Os linfócitos T são células do sistema imunitário, ativadas durante o combate a um tumor. O que a equipa de Bruno Silva-Santos, Sofia Mensurado e Karine Serre, do Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa, descobriu é que há linfócitos que dificultam a defesa do organismo contra o cancro. A boa notícia é que estes linfócitos podem ser neutralizados.

A equipa venceu o 1.º prémio, no valor de 30 mil euros, com o trabalho “Tumor-associated neutrophils suppress pro-tumoral IL-17+ γδ T cells through induction of oxidative stress”, apresentado na Conferência Mundial de Regulação Imunitária – World Immune Regulation Meeting XII 2018.

Um novo alvo para combater a obesidade

A ataxina-2 é uma proteína celular codifica pelo gene ATXN2. As mutações neste gene provocam alterações na expressão da proteína, provocando transtornos neurológicos, como a falta de coordenação de movimentos musculares voluntários e de equilíbrio. A equipa de Sara Carmo-Silva, investigadora no Centro de Neurociências e
Biologia Celular da Universidade de Coimbra, descreveu, pela primeira vez, a ataxina-2 como um potencial novo alvo terapêutico para a obesidade e doenças metabólicas.

O trabalho “Ataxin-2 in the hypothalamus: a new molecular target for metabolism and circadian rhythm regulation”, que venceu o 2.º prémio, no valor de 20 mil euros, contou ainda com a participação de outros investigadores da mesma instituição, do Centro de Investigação Biomédica da Universidade do Algarve e da
Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra.

Eliminar a bactéria da tuberculose

E se a melhor forma de combater uma bactéria fosse dirigindo a terapia ao hospedeiro? Desta forma, podia evitar-se o aparecimento de bactérias resistentes aos tratamentos. Esta é a proposta da equipa de Elsa Anes, David Pires e Nuno Carmo, do Instituto de Investigação do Medicamento (iMed.ULisboa) da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa. Os investigadores descobriram novos mecanismos que podem ajudar não só a eliminar o bacilo da tuberculose, mas também a melhorar a resposta à vacinação.

O 3.º prémio, no valor de 10 mil euros, foi atribuído ao trabalho “Mycobacterium tuberculosis modulates miR-106b- 5p to control Cathepsin S expression resulting in higher pathogen survival and poor T cell activation”, publicado na revista científica Frontiers of Immunology.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)