Vacinas

Nature. Artigo que ligava vacina contra HPV e danos neurológicos foi retirado

Um artigo da Scientific Reports, do grupo Nature, foi retratado porque "não é uma abordagem adequada para determinar os danos neurológicos". O artigo só foi retirado 18 meses depois de publicado.

A vacina contra o HPV faz parte do Programa Nacional de Vacinação a partir dos 13 anos em raparigas

Getty Images

Um artigo científico que relacionava a vacina contra o HPV (papilomavírus humano) com danos neurológicos foi retirado pela revista que o publicou, a Science Reports do grupo Nature. Para muitos dos críticos do artigo, esta decisão devia ter sido tomada mais cedo. Os autores, no entanto, continuam a acreditar nos resultados e não concordam com a decisão.

O editor vai retratar este artigo porque a abordagem experimental não apoia os objetivos do estudo”, lê-se na nota da revista que justifica a retirada do artigo [que vai continuar disponível on-line]. “O estudo foi desenhado para avaliar as implicações da vacina contra o papilomavírus humano (Gardasil) no sistema nervoso central. Contudo, a administração conjunta da toxina pertussis [que causa tosse convulsa] com níveis elevados da vacina contra o HPV não é uma abordagem adequada para determinar os danos neurológicos que a vacina contra o HPV pode causar só por si.”

A primeira questão que se coloca é: como é que uma revista, cujos artigos são revistos por pares (especialistas da área), deixa passar um artigo para depois dizer que a abordagem não foi adequada? O Observador colocou esta questão à revista.

Em segundo lugar: porque é que a revista demorou tanto tempo a retratar o artigo? O artigo da equipa da Universidade Médica de Tóquio foi originalmente publicado a 11 de novembro de 2016, mas só foi retratado 18 meses depois (a 11 de maio de 2018). Não por falta de aviso. Pouco tempo depois de publicado, dois grupos escreveram à revista Scientific Reports e à editora Nature Publishing Group alertando para os problemas com a experiência, refere a Science Magazine. Entre os alertas, era referido que a dose testada nos ratos, pelo equipa de Toshihiro Nakajima, era muito superior à que era normalmente dada nas vacinas em humanos, que era usada uma toxina (que consegue destruir uma barreira no cérebro que impede a passagem de substâncias estranhas) e que os dados apresentados não eram consistentes com a descrição dos resultados, entre outras coisas.

Desde que foi publicado (e até ao momento em que este artigo foi publicado), o artigo tinha sido partilhado mais de mil vezes no Twitter, segundo as estatísticas da própria revista. O artigo, que alguns críticos apelidam de pseudociência, teve tempo suficiente para ser disseminado nas redes sociais e serviu para apoiar quem já se mostrava contra a vacina. No Japão, por exemplo, os relatos de mulheres que alegadamente tinham sofrido efeitos secundários depois da vacina e os movimentos anti-vacinação conseguiram que o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-estar japonês deixasse de recomendar a vacina — usada para prevenir o cancro do cólo do útero — em junho de 2013 (apenas dois anos depois da vacina ter sido tornada gratuita).

Por último: a notificação de que um artigo foi retratado nunca terá tanto impacto na comunidade científica, opinião pública, media ou redes sociais como o artigo original. A informação contida no artigo original pode continuar a ser disseminada por detratores da vacina contra o HPV. “Infelizmente, não acredito que esta retratação vá afetar a opinião pública, porque suspeito que os cidadãos japoneses nem sabem da sua publicação”, disse Sharon Hanley, epidemiologista na Universidade de Hokkaido, em Sapporo (Japão), citada pela Science Magazine. Mas a especialista em cancro espera que pelo menos o governo japonês possa usar esta informação para voltar a recomendar a vacina.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Vacinas

“De deputado e de louco todos temos um pouco”

Patrícia Pacheco

A vacinação é muito bem vista em Portugal pela opinião pública, o nosso Plano Nacional é reconhecidamente um dos melhores do mundo. Nada melhor do que aproveitar a boleia e colar a política ao tema!

Vacinas

O Orçamento e as prioridades na Saúde

Fernando Leal da Costa
102

Como diria Graham Greene a propósito da alteração na AR da política de vacinação, agora que os deputados tiveram uma ideia, “eles são perigosos porque têm uma ideia, não sabem qual, mas têm uma ideia”

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)