Duas semanas depois de se ter tornado duquesa de Sussex, Meghan Markle está entre as 25 mulheres mais influentes de 2018 do Reino Unido, segundo a edição britânica da Vogue. Nem a rainha Isabel II, nem Kate Middleton fazem parte da lista.

Ao seu lado aparecem várias mulheres — desde modelos, designers, jornalistas, escritoras e cantoras a advogadas, diretoras de marketing, figuras políticas e da ciência, chefes executivas e diretoras de museus — com idades compreendidas entre os 22 e os 73.

A publicação refere que Meghan Markle passou de uma adolescente que pousava para uma fotografia com uma amiga fora dos portões do Palácio de Buckingham, aos 15 anos, a uma atriz adulta que se casou com o príncipe que se encontrava nesse mesmo palácio.

Quase do dia para a noite, com 36 anos [Meghan] tornou-se numa das mulheres mais reconhecidas em todo o mundo“, escreve a Vogue, acrescentando que a influência vai muito para além do seu estilo — como feminista e afro-americana, a duquesa de Sussex “ajuda a forjar uma nova identidade para a monarquia”, razão pela qual está integrada na lista. A verdade é que o casamento de Meghan e Harry é “um sinal de mudança”, que mostra que a família real britânica “está a abraçar a cultura”.

Para além de Meghan Markle, entre as 25 mulheres mais influentes encontram-se também a cantora Dua Lipa, a presidente do Supremo Tribunal, Brenda Hale, a designer de moda Stella McCartney, a advogada de direitos humanos Amal Clooney, a diretora do museu de arte Tate, Maria Balshaw, e a escritora JK Rowling.

A revista Time já tinha incluído Meghan na lista de 100 pessoas mais influentes — bem como ao príncipe Harry –, onde uma das suas melhores amigas, Priyanka Chopra, descreveu Meghan como sendo “uma princesa para o povo”.