Rádio Observador

Casamento Real

O que a imprensa internacional está a escrever sobre Meghan Markle

O casamento do ano está a dar que falar por todo o mundo. Como vê a imprensa internacional a futura mulher do príncipe Harry? Divorciada, afro-americana e feminista, Meghan vem quebrar tradições.

Chris Jackson/Getty Images

Há sete anos, milhares de pessoas contavam os minutos para verem o príncipe William dar o nó com Kate Middleton. Nas ruas de Inglaterra ou na televisão, todos tinham os olhos postos naquele que era o casamento do ano. Estamos em 2018 e o cenário volta a repetir-se: no sábado, 19 de maio, as atenções vão estar centradas no príncipe Harry — o filho mais novo de Carlos e Diana — e em Meghan Markle.

A quatro dias do casamento real, as capas de vários jornais britânicos — The Sun, Daily Mail e The Guardian incluídos — foram invadidas pela ausência de Thomas Markle, que não vai marcar presença no casamento da filha, na sequência do escândalo que protagoniza. Polémicas familiares à parte, Meghan Markle tem sido a verdadeira preferência da imprensa britânica, que assegura que a ex-atriz vem quebrar tradições e mudar a família real depois do casamento. 

“Um sinal de mudança”

Muito diferente de Kate Middleton, a noiva de Harry é filha de uma afro-americana, Doria Radlan, e de Thomas Markle, de ascendência holandesa e irlandesa. Cresceu em Los Angeles, na Califórnia, e é a primeira cidadã norte-americana a entrar para a família real britânica desde o casamento de Wallis Simpson com Eduardo VIII.

Mais recentemente, o The Guardian escreve que Meghan está a trazer esperança às mulheres negras no Reino Unido: “a expetativa é de que o efeito Markle tenha impactos inesperados, incluindo o aumento de oportunidades para as mulheres afro-americanas em termos de trabalho”. A aceitação de Meghan Markle na família real é motivo de entusiasmo, ela que é encarada como uma “uma inspiração” e um “símbolo de aceitação de mulheres negras na sociedade”. Do outro lado do mundo, nos Estados Unidos, o The Washington Post também se foca em Brixton e escreve que, ali, as pessoas dizem que o casamento “terá um grande impacto numa altura em que a imigração é um assunto tóxico”.

[Veja no vídeo os detalhes do casamento do príncipe Harry e Meghan Markle]

“Um romance real moderno” é como o The Guardian também se refere ao par romântico. Noutro artigo dedicado ao tema lê-se que este é um romance “mais relaxado, inclusivo” e que “está a ser vivido com entusiasmo” em Londres, em particular nas ruas de Brixton. As pessoas entrevistadas por esta publicação garantiram que o casamento de Harry com Meghan é “um sinal de mudança”, que mostra que a família real “está a abraçar a cultura”. Há, no entanto, quem considere o contrário: um sociólogo disse ao mesmo jornal que a ideia de que o casamento real seja bom para as relações raciais “é francamente ofensiva”. Já numa coluna de opinião no The New York Times, a feminista Maya Rupert conta como se tornou fã de princesas. Como mulher negra explica que as princesas normalmente eram sempre mulheres caucasianas e que isso bloqueia a forma de pensar das mulheres negras. Pelo facto de Meghan também representar esse avanço, no sábado Maya Rupert vai levantar-se às sete da manhã para assistir ao casamento real.

O The New York Times dedica ainda um extenso artigo ao potencial de influenciadora de Meghan Markle, que poderá mudar a perceção de marcas, mas também a imagem da família real britânica.

A ex-atriz divorciada

A dias de subir ao altar, o The Sun faz um apanhado das relações que a ex-atriz já teve. O jornal britânico escreve que esta não é a primeira vez que Meghan vai dizer: “Aceito”. A verdade é que casou com o produtor norte-americano Trevor Engelson em 2010, seis anos depois de se terem conhecido. O casamento, contudo, acabou em divórcio três anos depois. Mas há mais, a futura esposa de Harry esteve também com o chef canadiano Cory Vitiello, entre 2014 e 2016. Meghan conheceu Harry no verão de 2016.

O jornal El Español, por exemplo, publicou uma longa entrevista com Andrew Morton — o autor da biografia não autorizada de Meghan Markle e da polémica biografia de Diana, que contou com entrevistas da própria princesa –, em que diz que o facto de ser divorciada faz com que pareça que a família real está mais próxima de uma sociedade moderna e multicultural.

Numa coluna de opinião do The Washington Post escreve, por exemplo, que o casamento é um marco evolutivo na monarquia britânica, recordando o polémico caso de Eduardo VIII, que pediu a socialite americana Wallis Simpson — divorciada do primeiro marido e prestes a divorciar-se do segundo — em casamento, tendo abdicado do trono por amor. Na altura, era proibido o casamento de pessoas divorciadas enquanto os ex-companheiros ainda estivessem vivos, mas ao longo dos tempos a evolução tem sido grande e os divórcios têm vindo a aumentar. “Três dos quatro filhos da rainha divorciaram-se”, lê-se na mesma publicação. O Express, por sua vez, refere que o facto de Meghan ser divorciada não é um assunto tão complexo como seria há uns anos, porque Harry é “o sexto na linha de sucessão ao trono”, o que faz com que tenha “muito mais liberdade”.

A Diana 2.0 que é uma pessoa “fria”

Na entrevista ao El Español, Morton afirma que Meghan tem uma “obsessão pela princesa Diana”, tendo chegado mesmo a decorar partes do livro “Diana: Sua Verdadeira História”. O escritor diz que as duas vêm de famílias desestruturadas e que ambas desenvolveram o seu lado humanitário de forma muito independente — ainda que, no caso de Diana, fosse a uma escala muito maior. Andrew Morton reforça ainda que Meghan vai com certeza dedicar-se aos direitos das mulheres e a questões feministas.

Recorde-se que na primeira entrevista que Meghan e Harry deram depois de anunciarem o noivado, à BBC, a ex-atriz disse que não conhecia a família real britânica da mesma forma que muitos conhecem: “Só porque trabalhei em entretenimento, acham que tenho de saber como funciona este mundo. Estive sempre focada no meu trabalho. Nunca li muita imprensa, para o bem e para o mal”, disse sobre a forma como olha para a família real.

A Vanity Fair dedica também um longo artigo em que recupera as ações humanitárias que fizeram de Diana a princesa do povo e questiona a forma como será vista a esposa do príncipe Harry. No livro “Meghan Markle — Uma Princesa de Hollywood”, Morton refere que Meghan ambiciona ser “uma princesa Diana 2.0”. Apesar de ser uma pessoa “fria e calculista”, escreve Morton, sempre se dedicou “a causas filantrópicas”. O escritor britânico diz que Meghan sempre teve um fascínio pela princesa do povo — “não só pelo seu estilo, mas pela sua missão humanitária independente, vendo-a como um modelo a seguir”– e que é uma mulher moderna, com uma carreira de êxito que sempre tentou marcar a diferença.

Meghan e o Brexit

No artigo Vanity Fair já citado é feita ainda referência ao momento importante em que Markle chega à família real, com o Brexit finalmente a acontecer no próximo ano: “A retórica nativista e xenófoba subjacente à campanha do Brexit expressa a mensagem de que uma pessoa de cor não pode ser britânica. Markle, que vai ser uma cidadã britânica, é exatamente a prova  do oposto”. O Indian Express, por seu lado, escreve que a festa de sábado é um motivo de união nacional no Reino Unido, que tem estado dividido com a questão do Brexit.  E quanto ao Brexit, Andrew Morton é perentório: “Depois do Brexit, quando a Grã-Bretanha precisa de todos os aliados que encontrar, este casamento vai ajudar a consolidar as estreitas relações entre os dois países [Grã-Bretanha e Estados Unidos]”.

A verdade é que as atenções vão continuar focadas no casamento real e em Meghan Markle, a feminista que vai integrar a família real britânica depois de já ter sido casada. A mulher que “vai mudar a família real britânica” ainda vai fazer correr muita tinta nos próximos dias e, claro, no derradeiro 19 de maio. Percorra a fotogaleria para ver as o que os jornais internacionais têm vindo a dizer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)