A notícia, inicialmente difundida em órgãos sérvios, de que Sinina Mihajlovic teria estado em Lisboa esta semana deu o primeiro sinal que nem as recentes movimentações institucionais, com a suspensão de Bruno de Carvalho de presidente e a entrada em cena de uma Comissão de Gestão liderada por Artur Torres Pereira, colocou em causa: de acordo com informações recolhidas pelo Observador, o antigo treinador de Fiorentina, Sampdória, AC Milan e Torino (além da seleção do seu país) é o eleito do líder leonino para substituir Jorge Jesus no comando técnico do Sporting e o acordo encontra-se quase fechado. Depois de serem limados os últimos pormenores do contrato, que só muito dificilmente poderiam inverter uma decisão que está tomada pelas duas partes, ficará por saber quando será o anúncio oficial da composição da equipa técnica… e de que forma.

Mihajlovic destacou-se como defesa e marcador de livres na Roma, na Sampdória, na Lazio e no Inter (Gabriele Maltinti/Getty Images)

Como tinha avançado na semana passada, Bruno de Carvalho quer cumprir o que anunciou na semana passada e fechar todas as pastas que estavam ainda em aberto. E nem a atual condição impediu de, por exemplo, quando já tinha sido suspenso pela Comissão de Fiscalização nomeada pelo Presidente demissionário da Mesa da Assembleia Geral, Jaime Marta Soares, apresentar através das plataformas do clube a nova estrutura do departamento médico da equipa de futebol profissional. Assim, é provável que, nos próximos dias (ou horas), existam novidades sobre o tema, sendo apenas certo para já, além do nome de Mihajlovic, que Nelson e Tiago continuarão na equipa técnica, como adjuntos e/ou treinadores de guarda-redes.

“O novo treinador está a par de tudo”, destacou Bruno de Carvalho em entrevista à SIC este sábado, a propósito das negociações por Fábio Coentrão, um guarda-redes, um extremo e um avançado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quem não será reforço é o avançado Deni Alar, que chegou mesmo a merecer um dos vários posts publicados pelo presidente verde e branco este domingo. Citando notícias que davam conta de declarações do empresário do gigante croata de 28 anos que joga no Sturm Graz, Frank Masser, que diziam que, “com contrato praticamente assinado”, não foi para Alvalade porque “lá reina o caos”, Bruno de Carvalho ironizou e escreveu que “o Sporting é mesmo muito grande”. “Vivem todos à nossa custa… Até na Áustria… Caríssimo, mostre lá então esses contactos, emails, drafts, contratos… Alguma coisinha…”, desafiou.

[Veja no vídeo sete grandes golos do novo treinador do Sporting]

Em todas as outras publicações, os alvos do líder verde e branco foram outros, numa vertente mais política:

* Jaime Marta Soares, presidente demissionário da Mesa da Assembleia Geral, recordando as alterações estatutárias sufragadas pelos sócios na reunião magna de fevereiro e que não terão sido registadas (“Estatutos, totalidade dos membros! Mas sinceramente no meio de tanta golpada, anti-democracia, desrespeito pelos sócios, isto até é o que menos importa agora… Os sportinguistas que escolham…”, lamentou, referindo-se ao artigo 40 dos estatutos dos leões);

* José Maria Ricciardi, antigo vice do Conselho Fiscal e Disciplinar e membro do Conselho Leonino no último mandato (que entretanto se demitiu), por causa de uma entrevista que deu em dezembro de 2012 em que dizia que “a equipa tem sido ridícula” (“O tal que achou que também me podia dar ordens a mim e ficou a ‘chuchar no dedo’… Podem achar-se muito poderosos, mas para mim só existe o Sporting, o Clube de Portugal, e os lobbies deste país, se os sportinguistas quiserem, vão ter de se vergar de vez a ele!”, acrescentou numa publicação onde falava também nos salários em atraso da equipa nessa altura);

* Sérgio Abrantes Mendes, ex-presidente da Mesa da Assembleia Geral e candidato derrotado nas eleições de 2006 e 2011, por ter referido que “Bruno de Carvalho continua a brincar com o fogo (“O tal que negociou o lugar da mulher na MAG da SAD por troca de manter a sua candidatura para me tirar votos em 2011 e… (…) E eu a pensar que era o ‘boss bombeiro’ é que andava a incendiar o Sporting Clube de Portugal e nós a combater o incêndio”, escreveu em alusão ao papel atual de Jaime Marta Soares);

* José Eduardo, antigo jogador e dirigente do clube que chegou a ser próximo de Bruno de Carvalho mas que se distanciou do líder, admitindo mesmo, em entrevista na CMTV, que o Sporting tinha pagamentos em atraso, sem adiantar mais pormenores (“Aquela apresentação medonha, de uma Comissão de Gestão ilegal, decorreu no Páteo Alfacinha de Zé Eduardo (…) O ‘pianista’ veio ‘desmentir-me’, dizendo que havia dívidas… Sim, existem, como em todas as entidades, eu não disse que não. Mas falei de atletas e funcionários. Duas coisas ele pode ter a certeza: comigo a presidente, ele tem de apresentar, no concurso de catering aberto, preços que não ‘chulem’ mais o Sporting para a sua proposta sequer ser tida em conta; e que a dívida que o SCP tem para com a Casa do Marquês será a última a ser paga, visto ele ser um dos cúmplices desta golpada que tanto tem prejudicado, financeiramente e não só, o clube, a SAD, o CD [Conselho Diretivo] e a Comissão Executiva”, destacou).