458kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

"Carne humana". Matteo Salvini proíbe mais um barco de refugiados em Itália

Este artigo tem mais de 4 anos

O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, proibiu a entrada de mais um barco com refugiados em portos de Itália. Diz que os migrantes são "carne humana" e manda-os para outros países.

i

Getty Images

Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O ministro do Interior de Itália, Matteo Salvini, conhecido pelas suas posições anti-refugiados, recusou esta quinta-feira a entrada em espaço italiano do barco de resgate “Lifeline”, que levava a bordo 224 migrantes que tinham sido resgatados junto à Líbia. É a segunda vez nas últimas duas semanas: a 10 de junho, o governo italiano recusou a entrada do navio Aquarius, que acabou por seguir para Espanha.

Desta vez, Matteo Salvini anunciou através de um vídeo transmitido em direto com o seu telemóvel no Facebook que se tinha aproximado da costa italiana um navio de resgate da ONG alemã “Lifeline” com bandeira holandesa. “A Guarda Costeira italiana escreveu-lhes para que não fizessem nada, que a Líbia se ocupava do assunto, mas estes desgraçados, inclusivamente colocando a vida dos imigrantes em perigo nestes botes, não ouviram ninguém e intervieram carregando a sua quantidade de carne humana a bordo”, diz Salvini.

A entrada do “Lifeline” em portos italianos foi recusada e Salvini já questionou a embaixada dos Países Baixos em Roma sobre se aquele navio está ligado ao país. “Itália só vai ver este barco num postal, porque as regras são para respeitar. Queremos acabar com a máfia da imigração clandestina que causa milhares de vítimas”, afirmou o ministro italiano, líder do partido anti-imigração Liga, que chama aos barcos de resgate “táxis do mar que desembarcam em Itália”.

“Estes falsos socorristas olham mais para a carteira do que para salvar vidas. Levem a carga de seres humanos para Gibraltar, para Espanha, para França ou para onde quiserem. Itália não pode ter os encargos dos custos económicos e sociais de uma imigração fora de controlo”, acrescenta ainda Salvini.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.