Igualdade de Género

Arábia Saudita. “Hoje, vou conduzir para o trabalho. E, pela primeira vez, não estou no banco de trás”

1.154

Pela primeira vez, na Arábia Saudita, as mulheres sentaram-se ao volante. Sozinhas ou acompanhadas pelos maridos. Algumas filmaram o momento. Outras choraram. "A Arábia Saudita entrou no século XXI."

AMER HILABI/AFP/Getty Images

“Hoje, estamos aqui”. Samah al-Qusaibi está sentada no banco do condutor. “Ontem, estávamos sentadas ali”, diz a mulher, citada pela agência Reuters, enquanto aponta para o banco de trás no carro. À meia-noite (22h00 em Lisboa) deste domingo, foi banida a proibição de décadas de as mulheres conduzirem na Arábia Saudita — o único país do mundo onde só os homens podiam conduzir.

Sempre soube que este dia ia chegar. Mas chegou mais rápido. De repente. Sinto-me livre como um pássaro”, disse Samar Almogren ao The Guardian.

As autoridades ofereceram flores às mulheres. Algumas, conduziram com os maridos ou irmãos ao lado. Umas filmaram o momento. Outras choraram. Houve que tivesse comprado carros novos para celebrar a primeira vez que puderam conduzir na Arábia Saudita.

Hoje acordei mais cedo do que o habitual. Estava tão entusiasmada que não consegui dormir. Hoje, vou conduzir para o trabalho. E, pela primeira vez, não estou no banco de trás”, contou Roa Altaweli à BBC.

Roa tirou a carta em, em 2005, no Bahrein, onde estava a estudar obstetrícia. Também tinha uma licença internacional e já tinha conduzido no Dubai, Portugal e Estados Unidos. Mas nunca na Arábia Saudita. Roa teve de converter a sua carta de condução do Bahrein. “O meu pai e irmão encorajaram-me a mim e à minha irmã mais nova a obter a licença para que pudéssemos conduzir assim que a proibição fosse suspensa”, disse Roa num artigo na primeira pessoa publicado na BBC.

Hoje é um dia histórico e, parece-me, cheio de promessas de mais dias históricos para as mulheres, na Arábia Saudita”, escreveu.

Mas nem todos estão contentes. Os condutores de empresas como a Uber são um exemplo. “Não apoio que as mulheres conduzam porque acredito que elas não são as melhores condutoras”, disse um deles ao The Guardian, acrescentando que não vai autorizar as suas três irmãs a conduzir.

Não vou autorizá-las a conduzir e elas nem sequer perguntaram. Elas têm um motorista que trata de tudo”, afirmou.

A medida foi anunciada em setembro do ano passado, através de um decreto real do rei Salman mas não foi implementada de imediato. Na altura, a Arábia Saudita não tinha um sistema preparado para ensinar mulheres a conduzir imediatamente nem para emitir licenças. Desde então, as mulheres têm vindo a ter aulas de código da estrada e de condução. As primeiras licenças para mulheres começaram a ser emitidas apenas no início deste mês de junho.

A medida faz parte do programa Vision 2030, anunciado em de abril de 2016 pelo príncipe herdeiro Mohammad bin Salman. O programa visa diversificar a economia da Arábia Saudita e desenvolver setores de serviços públicos como saúde, educação, infraestrutura e turismo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mulher

Partilha das tarefas domésticas e natalidade /premium

Maria João Marques
177

Temos a receita perfeita para a maioria das mulheres portuguesas decidirem ter só um filho. E a responsabilidade pot isso é também dos homens que não estão a fazer a sua parte das tarefas familiares.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)