Rádio Observador

Carlos Cruz

Casa Pia. Carlos Cruz vence recurso no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem

1.906

Juízes de Estrasburgo dizem que tribunal português devia ter aceitado provas submetidas pela defesa do apresentador. Mas rejeitam indemnização: julgamento foi justo. Defesa admite reabrir processo.

Carlos Manuel Martins

Carlos Cruz venceu parcialmente o recurso no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, no âmbito do processo Casa Pia. Mas só no ponto em que dizem que o Estado português violou os direitos de defesa do antigo apresentador de televisão ao ter recusado a admissão de novas provas submetidas na altura pela defesa.

Os juízes do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem consideraram, assim, que Carlos Cruz, Ferreira Diniz, Jorge Ritto e Manuel Abrantes tiveram um julgamento justo, negando o pedido de condenação ao Estado português. A única queixa atendida foi a queixa apresentada pelo antigo apresentador de televisão que considerava ter sido prejudicado em sede de recurso por lhe ter sido negada a apresentação de novas provas. Mas mesmo neste ponto a vitória foi tangente: apenas quatro, de sete juízes, lhe deram razão.

Segundo a decisão conhecida esta terça-feira, Carlos Cruz tentou entregar por três vezes provas de que algumas das pessoas ouvidas estavam a mentir. O tribunal europeu limita-se a admitir que os seus direitos de defesa possam ter sido prejudicados, mas que tal não prejudicou o julgamento como um todo.

A deliberação aconteceu sete anos depois de Carlos Cruz ter sido condenado por abuso sexual de menores. O advogado de Carlos Cruz, Ricardo Sá Fernandes, já admitiu em declarações à TSF que pode reabrir o processo em Portugal, embora o Estado português tenha até outubro para recorrer desta decisão internacional. “O tribunal europeu deu-nos razão num dos dois pontos. Não deixa de ser muito bom”, congratula-se o advogado em declarações ao Expresso.

O julgamento durou seis anos e Carlos Cruz saiu em liberdade em 2016, depois de cumprir dois terços da pena, negando sempre qualquer culpa. Embora o tribunal tenha atendido a uma das queixas de Carlos Cruz no pedido de recurso, há um outro ponto onde os juízes não deram razão. Os juízes europeus recusaram declarar como ilegal a queixa de não ter sido permitido confrontar os depoimentos das vítimas feitos em tribunal com aquilo que disseram durante a investigação. Ou seja, além de ter sido recusado a Carlos Cruz o direito a indemnização, também foi indeferida a queixa sobre o pedido de confronto dos depoimentos das vítimas.

O mesmo aconteceu com os recursos do médico Ferreira Diniz, do embaixador Jorge Ritto, e do ex-provedor-adjunto da casa Pia, Manuel Abrantes, que também se tinham queixado da falta de confronto dos depoimentos das vítimas, pedindo para ser analisada a essa luz a justiça dos seus julgamentos. Mas também nestes casos não ficou provado que o julgamento, que durou seis anos, não tenha sido justo. O tribunal europeu deu apenas parecer favorável a Carlos Cruz, e apenas no ponto relativo às provas novas.

É que, tendo em conta a extrema complexidade do processo, os juízes afirmam que os seis anos não podem ser considerados excessivos. “Embora possa parecer demorado (…), o tribunal ouviu 920 testemunhas, 19 consultores, 18 peritos, 32 vítimas e sete arguidos, tendo analisado 64 mil páginas de documentação”, notam.

A 12 de junho, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem condenou o Estado português a pagar 68.555 euros a Paulo Pedroso, após um recurso apresentado pelo socialista relacionado com o processo Casa Pia. De acordo com a sentença do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, o Estado tem três meses para o indemnizar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)