Marcelo Rebelo de Sousa

Eleição de Vitorino para a OIM é vitória contra xenofobias e intolerâncias, diz Marcelo

Presidente da República disse que a eleição de António Vitorino para diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações é vitória para o mundo, contra as xenofobias e as intolerâncias.

Inácio Rosa/LUSA

O Presidente da República defendeu esta sexta-feira que a eleição de António Vitorino para diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM) é uma vitória para o mundo, contra os protecionismos, xenofobias, clausuras e intolerâncias.

Em declarações aos jornalistas, na varanda do Palácio de Belém, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que esta notícia constitui “uma grande alegria para Portugal”, mas que, “neste tempo, no domínio tão sensível das migrações”, a escolha de alguém como António Vitorino para um cargo destes “é uma vitória também para o mundo”.

“Alguém que tem experiência, foi comissário [europeu] nesta área e foi um ótimo comissário, tem uma visão aberta, global, que chega a todos os continentes, ter um dossiê tão sensível é tão bom para o mundo. Contra os protecionismos, contra as xenofobias, contra as clausuras, contra as intolerâncias”, acrescentou, concluindo: “É uma ótima notícia”.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, nesta matéria, como noutras, Portugal tem um papel de “plataforma entre culturas, oceanos e continentes”.

Nas migrações, nota-se, é particularmente sensível. Já se notou nos refugiados. Está clara nas Nações Unidas. Quer dizer, por toda a parte a escolha de portugueses excecionais significa que o país, ele próprio, tem esta vocação e que a nossa política externa, mantendo-se a mesma, conhece um dado novo: somos mais importantes no mundo do que éramos”, sustentou.

Sobre a sua conversa telefónica com António Vitorino, o Presidente da República disse que aconteceu “no momento preciso em que estava a formular-se a aclamação, porque houve ali um compasso de espera até converter-se o que seria uma votação de dois terços numa aclamação”.

Foi uns segundos antes de ser formalizada a aclamação. E ele estava legitimamente feliz, porque ele, nas audições a que foi submetido, fez prestações brilhantíssimas – eu ouvi isso da parte de vários chefes de Estado e chefes de Governo”, relatou Marcelo.

O advogado António Vitorino, antigo comissário europeu, foi esta sexta-feira eleito diretor-geral da OIM por aclamação, na quarta ronda de votações, vencendo a candidata costa-riquenha Laura Thompson. O Governo português oficializou em dezembro do ano passado a candidatura do socialista – que foi ministro da Presidência e da Defesa Nacional – à liderança desta organização criada em 1951 e atualmente integrada no sistema das Nações Unidas, com 169 Estados-membros.

O Presidente da República já tinha divulgado uma nota a felicitar “calorosamente” António Vitorino pela sua eleição para diretor-geral da OIM, bem como o Governo e a diplomacia portuguesa.

Aos jornalistas, reforçou essa mensagem: “É uma vitória do doutor António Vitorino, que é excecional, mas é uma vitória do Governo, do senhor primeiro-ministro, do senhor MNE, da nossa diplomacia. Todos eles contribuíram de forma, há que dizer, também notável para a vitória”.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que assistiu e também participou nesta campanha, que no seu entender “foi uma campanha difícil, quase tão difícil como a campanha do senhor engenheiro António Guterres [para secretário-geral das Nações Unidas], porque havia à partida candidatos muito fortes”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

Enfermeiros: Presidente traiu o dever de isenção 

Humberto Domingues
2.817

O Presidente da República traiu o seu dever da isenção, num programa de televisão, qualificando algumas questões profundas, com um discurso pobre, superficial, tendencioso, daninho e danoso.

Saúde

ADSE ou Ai do Zé?

Fernando Leal da Costa

Sejamos claros. O fim da ADSE, um dos seguros mais importantes na saúde dos Portugueses, determinará um acelerar vertiginoso do colapso assistencial do SNS, com tempos de espera infindáveis.

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)