Rádio Observador

Mundo

Obama: “O meu sucessor não concorda muito comigo”

348

No Porto, deixou críticas a Donald Trump e esperança de que os jovens sejam capazes de fazer as mudanças necessárias para o mudo ser um lugar mais justo. "A maioria das pessoas são boas e decentes."

AFP/Getty Images

Há boas e más notícias. Muito rapidamente, é assim que Barack Obama faz o ponto da situação do Acordo de Paris. “A má notícia é que o meu sucessor no cargo não concorda comigo e, portanto, houve iniciativas que nos levaram a retroceder no que já tínhamos feito. A boa notícia é que muitas destas coisas já estavam infiltradas na nossa economia”, disse o antigo Presidente dos Estados Unidos, durante a conferência Climate Change Summit, que decorre esta sexta-feira no Coliseu do Porto.

“E há outra boa notícia: o único país que saiu do acordo até agora foi… o meu. Acredito que as atitudes dos EUA vão, no futuro, voltar a alinhar-se com a ciência”, disse Obama, o que lhe valeu uma ovação de palmas no Porto.

O Acordo de Paris é um compromisso internacional, assinado em 2015, com o objetivo de minimizar as consequências do aquecimento global.

Para o antigo chefe de Estado, o Acordo de Paris é a prova de que “é possível juntar países em torno de interesses comuns, mas tudo é mais difícil se as políticas internas dos países virem a cooperação internacional com suspeição”, avisa. Os destinatários são óbvios: os nacionalistas e os protecionistas.

Questionado sobre o futuro do Acordo de Paris, do qual diz esperar ser possível manter a arquitetura, Obama responde com um exemplo muito pessoal: “Eu cresci no Havaí — se nunca lá foram deviam ir, é agradável — e nós ali estamos à mercê do mar”, ou seja, argumenta, se o nível do mar subir as consequências são problemáticas. “Hoje em dia, já é possível colocarmos um custo financeiro neste problema.”

Quanto a desafios, Barack Obama diz que passam por  não terem sido estabelecidas metas rigorosas o suficiente no Acordo de Paris.

Isto foi só o começo, ainda não estamos onde precisamos de estar, mas estou confiante de que este é um problema com o qual conseguiremos lidar nos próximos 20 anos.”

Alterações climáticas e migrações

“Todos os anos, o Pentágono identifica o clima como um fator que pode levar ao conflito”, diz o antigo Presidente dos Estados Unidos. Esta declaração surge na sequência de uma das perguntas do moderador, Juan Verde: há ou não uma correlação entre alterações climáticas e migrações?

A resposta de Obama foi afirmativa. “Uma das questões que contribuiu para o desastre na Síria foi a seca, que levou os agricultores a irem para as cidades e isso influenciou a demografia e, depois, os líderes políticos.” Mas na África subsariana, argumenta, o clima não é o único fator que leva as pessoas a migrarem, o mesmo acontecerá “se os agricultores não conseguirem produzir o suficiente para alimentar toda a gente.”

A internet não sendo parte do problema acaba por contribuir para ele: “Com a internet é possível ver que há uma vida melhor do outro lado do oceano e os traficantes aproveitam-se disso. Acho que vamos ver um aumento desses movimentos migratórios.”

A solução, acredita Obama, passa por ajudar quem emigra no seu país de origem. “É do nosso interesse arranjar uma forma de ajudar estas pessoas e dar-lhes oportunidades nos países delas. Se não resolvermos isto, não há muros suficientemente altos para parar estas correntes migratórias.

As soluções já existem, basta querer usá-las

“Uma das coisas interessantes de ser Presidente dos Estados Unidos — que é uma posição muito poderosa — é perceber como o poder se movimenta. Para muitos dos problemas que enfrentamos agora, até já temos boas respostas para lidar com eles. Consigo dizer-vos como podemos reduzir a pobreza em África agora mesmo, de um ponto de vista técnico”, defendeu Obama.

O problema, explicou, é que para aplicá-las são precisas instituições políticas, sociais, lideradas por humanos. E esse é o verdadeiro travão.

“Na Europa, há pessoas muito inteligentes a tentar fazer a coisa certa. Mas em termos de políticas, parte do problema é que as lideranças se esquecem — em Bruxelas ou noutras capitais — que o poder vem das pessoas. Se começarmos por baixo, se as pessoas concordarem que é preciso uma mudança, então teremos de nos basear nesses movimentos populares e não apenas nos especialistas no topo.”

Essa mudança de mentalidade sente-se principalmente entre as camadas mais jovens. “Se falarem com pessoas da idade da minha filha, os jovens de 20 e poucos anos, eles têm mais consciência ambiental, são mais tolerantes e mais sofisticados do que a minha geração. Têm um forte instinto para trabalharem juntos além fronteiras. O problema é que não são eles que mandam. Se houver jovens aqui, atirem-se a isso, dêem o passo”, disse Obama, recebendo em troca uma salva de palmas.

Nós que temos cabelos grisalhos esquecemos-nos de como foi ter a idade deles. É altura de os ensinarmos a ocuparem os nossos lugares.”

Barack Obama termina a sua intervenção na conferência sobre alterações climáticas falando sobre democracia e argumentado que a maioria das pessoas, em qualquer parte do mundo, quer deixar um mundo aos seus netos que estes possam apreciar. Felizmente, diz, apesar dos obstáculos, a marcha da Humanidade tem sido geralmente de progresso. “A democracia é difícil. A boa notícia é que a grande maioria das pessoas são boas e decentes.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Texto de Cátia Bruno (Porto) e Ana Kotowicz.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)