Mundial 2018

“Já todos fomos idiotas”. A história do único croata que não está lá muito feliz por ver a seleção na final

404

Kalinic recusou entrar frente à Nigéria e foi expulso da seleção croata. Agora, vai ver pela televisão os colegas jogarem a final. "Já todos fomos idiotas", sintetiza... Ricardo Araújo Pereira.

Kalinic recusou jogar frente à Nigéria e foi expulso da seleção: vai ver a primeira final dos balcânicos pela televisão

Getty Images

Autor
  • Mariana Béu

Há decisões e decisões. As de uma vida, em que viramos o assunto do avesso e olhamos para ele de todos os ângulos possíveis até ao âmago; as inócuas, em que optamos por coisas tão simples como um restaurante para jantar (em detrimento de outro qualquer); mas há também aquelas que parecem inócuas mas que se revelam como sendo de uma vida.

Como aquela tomada por Nikola Kalinic, no minuto 86 do jogo com a Nigéria – o primeiro da Croácia no grupo D deste Mundial. O avançado do Milan deve ter pensado nesse momento, esta quarta-feira, ao ver (neste caso, pela televisão) os seus companheiros carimbarem a primeira presença de sempre na seleção balcânica numa final do Campeonato do Mundo. Deve estar a dar voltas à cabeça, até à exaustão, a pensar por que raio aquele minuto 86 existiu e o privou daquela que seria, também, a sua primeira final.

Kalinic foi preponderante no playoff de apuramento para o Mundial frente à Grécia (Srdjan Stevanovic/Getty Images)

Puxamos o filme atrás. Já perto do final do encontro diante da seleção africana, o técnico Zlatko Dalic colocou o avançado a aquecer; ia entrar nos instantes finais. Só que levou uma nega. Kalinic alegou dores nas costas e não jogou. No final, o selecionador disse aos jornalistas que tinha terminado a partida “sem lesões, mas com um problema”.

Ora, esse problema ficou resolvido menos de dois dias depois. Dalic entendeu que as dores do avançado não passavam de uma desculpa e resolveu expulsá-lo da seleção. “O Kalinic estava a aquecer e era suposto entrar na segunda parte do jogo com a Nigéria. Mas ele disse que não podia porque lhe doíam as costas. A mesma coisa já tinha acontecido no particular com o Brasil em Inglaterra, assim como antes dos treinos no domingo. Calmamente aceitei mas, uma vez que preciso de ter os meus jogadores em forma e prontos para jogar, tomei esta decisão”, explicou o técnico.

Ricardo Araújo Pereira sintetizou o assunto numa coluna de opinião publicada na Folha de São Paulo: “Já todos fomos idiotas”. “Se tinha dores nas costas, devia ter entrado; se tinha dores do orgulho, devia ter entrado ainda mais depressa”. O humorista usou ainda os Beatles para qualificar a má decisão do jogador. “Agora, vai ocupar um lugar ao lado de outros desconhecidos como Stuart Sutcliffe, o baixista de uma certa banda de Liverpool que estava a fazer uma digressão por Hamburgo. Sutcliffe decidiu ficar por lá para se dedicar à pintura. Os seus amigos John, Paul e George voltaram para Inglaterra, convidaram um baterista chamado Ringo e obtiveram algum sucesso. É muito raro alguém cometer uma idiotice de uma dimensão tão grande que até a história resolve aplicar um castigo”, escreveu.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)