Elon Musk

Elon Musk pediu desculpa a mergulhador britânico a quem chamou pedófilo

"A culpa é minha e só minha", disse Elon Musk no Twitter, depois de ter chamado pedófilo ao mergulhador britânico que ajudou no resgate das crianças na Tailândia.

Getty Images

O empresário norte-americano Elon Musk voltou atrás nos seus comentários e pediu desculpa por ter chamado pedófilo a Vern Unsworth, um mergulhador britânico que participou nas operações de resgate que salvaram as 12 crianças de uma gruta na Tailândia.

“As minhas palavras foram proferidas depois de o Sr. Unsworth ter dito várias inverdades e ter sugerido que eu participasse em atividades sexuais com o mini-submarino, que foi construído como um acto de bondade e de acordo com as especificações do líder da equipa de mergulho.”, pode ler-se num dos tweets.

Não obstante, as suas ações contra mim não justificam as minhas ações contra ele e, por isso, peço as minhas desculpas ao Sr. Unsworth e a todas as empresas que represento enquanto líder. A culpa é minha e só minha.”, assume.

O mergulhador e o magnata sul-africano envolveram-se numa troca de insultos depois de o mergulhador ter dito que o projeto do mini-submarino se tratou de uma “campanha de relações públicas” do milionário. Na mesma entrevista, Vern Unsworth sugeriu a Musk que enfiasse o submarino “onde mais lhe doesse”. Elon Musk, que recentemente tem sido bastante criticado pelo seu uso “irresponsável” do Twitter, respondeu-lhe chamando-lhe pedófilo (“pedo”) no final de uma mensagem.

O pedido de desculpa, feito através da rede social Twitter, veio depois de um grupo de investidores da Tesla o ter exigido esta terça-feira. No dia anterior, depois dos comentários de Musk, as ações da empresa automóvel caíram 3% na bolsa norte-americana.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)