Um verão de extremos e de recordes. É assim que muitos descrevem os meses de junho e julho nos quatro cantos do mundo, com vários países, principalmente do hemisfério norte, a alcançarem temperaturas máximas nunca sentidas e países tipicamente quentes a terem um verão mais fresco.

Só nos últimos 30 dias, calculou a Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos, foram registados 3.173 novos máximos diários de temperaturas a nível mundial e 159 novos meses mais quentes de sempre. Da Europa do norte ao Japão, passando pela Califórnia e pelo Canadá e parando em Portugal e Espanha, que este verão têm registado temperaturas mais baixas, o tempo tem trocado as voltas a todos e os cenários não têm sido os esperados: vagas de calor no norte (e os incêndios como consequência), recordes de temperaturas máximas na Rússia e Inglaterra por exemplo, e poucos dias com o calor intenso a que alguns países estão habituados por esta altura, como em Portugal e Espanha.

Mais. A tendência é para que as coisas se mantenham. Os investigadores avisam que este poderá ser um cenário que se vai repetir nos próximos anos.

(Veja a fotogaleria acima com os países onde as temperaturas têm batido recordes)

O segundo junho mais quente na Europa

Desde 2003 que a Europa do norte não tinha um mês de junho tão quente. Foi o segundo mais quente desde que há registos de temperaturas (1910). Nos países nórdicos, as temperaturas máximas têm atingido recordes. A Suécia, por exemplo, viveu o junho mais quente dos últimos 260 anos, com as temperaturas a chegarem aos 34° graus Celsius (C). Os incêndios florestais não tardaram a chegar e o governo foi obrigado a pedir ajuda internacional para resolver os mais de 50 fogos ativos.

Na Noruega, a temperatura máxima chegou aos 32,6ºC e na Finlândia estiveram 32ºC no norte e 33,2ºC no sul, sendo a temperatura mais alta desde 1914.

Já no Reino Unido, que costuma ter um verão fresco, as altas temperaturas e a ausência de chuva têm provocado a mudança da paisagem de uma das regiões mais húmidas da Europa, levando à seca de vários terrenos. Os metereologistas, diz a CBC, preveem que esta sexta-feira seja atingido um máximo de sempre em termos de calor: 38,5ºC. Este vídeo, mostra como mudou a paisagem do Reino Unido nos últimos anos.

Mas, porque é que estão estas temperaturas tão altas no norte da Europa? Segundo o The Guardian, a chamada “corrente de jato” — os ventos de oeste para leste — chegou em maior quantidade ao norte durante dois meses, fazendo com que uma corrente de alta pressão marcasse presença no Reino Unido e nos países escandinavos, provocando assim uma onda de calor e tempo seco. Além disso, há um anticiclone de bloqueio — o dos Açores — que está parado no norte e impede que as depressões vindas do Atlântico cheguem à Europa do norte. “É uma combinação das temperaturas do norte do Oceano Atlântico, das mudanças climáticas e do próprio clima”, disse Len Shaffrey, uma professora de ciência climática da Universidade de Reading.

Ainda na Europa, a situação mais grave, e que nos últimos dias tem enchido páginas dos jornais, é vivida na Grécia, onde se registou o ano mais quente de sempre, com temperaturas que chegam aos 40ºC e ventos fortes que contribuíram para a rápida propagação dos incêndios que desde esta segunda-feira já mataram pelo menos 85 pessoas e deixaram milhares desalojadas.

Na Alemanha, o calor está a afetar a indústria e a preocupar os agricultores. O aeroporto em Hanover teve de adiar 41 voos porque o asfalto ficou danificado pelas altas temperaturas, que esta sexta-feira vão chegar aos 38ºC.

Já Portugal e Espanha parecem estar a sofrer do contrário e trocaram de papeis com os países do norte: as temperaturas estão abaixo do esperado nesta época. Segundo o Instituto Português do Mar e Atmosfera (IPMA), o mês de junho em Portugal foi o mais chuvoso e com a segunda temperatura máxima mais baixa desde 2000. 

No entanto, para quem pensa que o verão não vai chegar ao território nacional, as temperaturas da próxima semana vão provar o contrário. A chegada de uma massa de ar quente e seco vai provocar uma subida gradual da temperatura a praticamente todo o país, com algumas regiões a chegarem aos 40ºC.

Da onda de calor no Japão aos três recordes na Califórnia

Não é só na Europa que as temperaturas estão diferentes. No Japão, os termómetros também registaram temperaturas máximas históricas. No domingo, a cidade de Kumagaya chegou aos 41ºC. As autoridades japoneses consideraram a vaga de calor um “desastre natural”, que provocou pelo menos 80 mortos, a maioria idosos, e a Agência Metereológica do Japão prevê que as temperaturas continuem a ser de 35ºC ou superiores até agosto.

Um termómetro eletrónico indica a temperatura acima dos 40ºC em Tóquio, no Japão.

Passando para a América do Norte, na Califórnia o intenso calor que se tem sentido, além de ter provocado vários incêndios, afetou o abastecimento de energia. A procura aumentou tanto, que durante várias horas cerca de 34.000 casas não tiveram eletricidade. Junho foi, aliás, o sexto mês mais quente na América do Norte desde 1910 e o terceiro com temperaturas mais altas nos Estados Unidos desde 1895.

A Organização Mundial de Meteorologia diz que não é possível responsabilizar totalmente este fenómeno nas alterações climáticas, ainda que sejam um dos grandes impulsionadores do que está a acontecer. “Os episódios de calor extremo e chuvas intensas aumentaram, em parte, devido às alterações climáticas, mas não é possível atribuir todos os eventos das altas temperaturas em junho e julho a essas mudanças”, explicou a organização à BBC. No entanto, ainda há alguma divisão entre os especialistas quanto ao papel das mudanças climáticas nesta vaga de calor.

Em território californiano, o calor foi produzido por uma grande concentração de altas pressões, que também atingiu outros estados, como o Arizona, o Nevada e o Utah. Foram batidos três recordes: a noite mais quente da história de Los Angeles (26,1ºC), a temperatura mais alta na história da cidade de Chino (49ºC) e a maior temperatura máxima em 79 anos atingida na Universidade da Califórnia (43,9ºC).

O inverno na Austrália com temperaturas acima da média

Mais acima, no Canadá, o cenário é semelhante. A onda de calor sentida no início do mês foi tão intensa que pelo menos 33 pessoas morreram. Na capital do país, em Ottawa, o índice de humidade chegou aos 47ºC. Para quem acha que as mudanças já são muitas, falta lembrar que este aumento de temperatura na região tem sido constante e está a provocar o desaparecimento dos glaciares canadianos. Dos 1773 glaciares do país, cerca de 1353 diminuíram significativamente entre 1999 e 2015.

Em Sidney, na Austrália, é inverno, mas não se sente. As temperaturas chegam a estar 8ºC acima da média que se verifica por esta altura do ano, com valores a chegarem aos 24,7ºC durante o dia em julho. Também aqui as temperaturas foram influenciadas por uma área de alta pressão, que trouxe uma corrente quente do Equador para aquela zona do país.

Já a Argélia, em África, “é um dos lugares mais afetados pela mudança climática”, dizem os especialistas, acrescentando que é possível que o país tenha registado a maior temperatura de sempre no continente africano na semana passada: 51,3ºC em Ouargla, no norte do país.