O sistema de alerta por mensagens que tem o objetivo de informar as pessoas dos avisos da Proteção Civil não serve para situações de emergência, noticia esta quinta-feira o Jornal de Notícias. O jornal apurou que os SMS demoram cerca de 12 horas a chegar aos destinatários, desde que a ordem é emitida pela Proteção Civil ao envio da mensagem por parte das operadoras.

Contactada pelo Jornal de Notícias, a Vodafone, uma das operadoras com que o Ministério da Administração Interna (MAI) e a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) têm um acordo explicou que o tempo de demora deve-se ao facto de se tratar “de uma situação preventiva”.

Até agora ainda só foi feito um teste, no dia 19 de maio, não tendo ainda sido pedido às operadoras (Altcice, NOS e Vodafone) que enviassem qualquer SMS. Ao Jornal de Notícias, a Proteção Civil admitiu que o sistema ainda está a ser desenvolvido: “O que está previsto e operacional para 2018 é o envio de um SMS preventivo, emitido apenas em situações excecionais, em que seja declarado o estado de alerta especial, de nível vermelho, para incêndios rurais.

No mês de maio, a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) autorizou a ANPC a enviar SMS aos cidadãos que se encontrem em zonas de risco eminente de incêndio quando for declarado o nível mais elevado de alerta, depois de o MAI ter avançado com o projeto depois das recomendações da Comissão Técnica Independente que investigou os incêndios de 2017.