INEM

Chamadas para o INEM aumentaram 20% nos dias de calor

O Instituto Nacional de Emergência Médica explicou que a procura dos serviços registou um aumento de 20% nas chamadas realizadas. "Agravamento de situações de doença crónica" é o motivo.

António Cotrim/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

As chamadas para a emergência médica tiveram um “aumento substancial” nos últimos dias, tendo-se registado mais 20% de telefonemas para o 112, disse esta segunda-feira à Lusa fonte do INEM.

Questionado pela Lusa sobre se houve um aumento de chamadas e se era possível relacioná-las com o calor intenso dos últimos dias, fonte oficial do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) explicou que a procura dos serviços de emergência médica registou um aumento de 20% nas chamadas realizadas para os Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU), “motivadas sobretudo pelo agravamento de situações de doença crónica”.

Segundo o INEM, o aumento “muito substancial” do número de chamadas de emergência e a consequente ativação de meios “justifica-se pela onda de calor verificada nos últimos dias”.

O aumento correspondeu a “umas significativas” 764 chamadas a mais, por dia, entre quarta-feira e domingo, comparando com o período homólogo do ano passado. O aumento do número de chamadas teve “naturalmente impacto” no funcionamento dos CODU, apesar do “reforço de operacionais”, que tiveram um “esforço acrescido”, segundo a fonte.

Segunda-feira, a Associação de Proteção e Socorro (APROSOC) disse em comunicado que na última madrugada, às 02h30, o CODU do INEM tinha 18 chamadas em espera e que o número de chamadas em “call-back” (recuperação de chamadas desligadas) era cerca de 90.

A fonte do INEM disse à Lusa que “naturalmente que os tempos de espera para atendimento das chamadas são mais elevados, em consequência do acréscimo muito significativo da procura dos serviços de emergência médica”.

E acrescentou que “nenhuma chamada fica sem resposta”, até porque o sistema “call-back” permite recuperar chamadas desligadas ou que caíram antes de serem atendidas, havendo profissionais com a função específica de fazer essas chamadas de volta.

De acordo com o INEM, o sistema de triagem nos CODU “permite avaliar rapidamente a situação clínica das vítimas” e estabelecer prioridades no envio de meios de emergência médica, pelo que apesar do aumento de atividade “tem sido possível manter uma resposta às várias situações”.

O INEM, fruto do aumento dos pedidos de socorro já referido, tem atendido perto de 5.000 chamadas de emergência por dia, e repudia publicações em alguns fóruns que têm como único objetivo provocar ansiedade e alarme na população portuguesa”, adiantou a mesma fonte.

Os cidadãos, salientou a fonte, “podem e devem confiar no INEM e nas restantes instituições” que compõem o Sistema Integrado de Emergência Médica. O INEM relembrou também que o 112 apenas deve ser usado em situações de emergência, e que as situações referentes a aconselhamento na área da saúde têm o Centro de Contacto do Serviço Nacional de Saúde, o SNS24, através do número 808 24 24 24.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)