INEM

Chamadas para o INEM aumentaram 20% nos dias de calor

O Instituto Nacional de Emergência Médica explicou que a procura dos serviços registou um aumento de 20% nas chamadas realizadas. "Agravamento de situações de doença crónica" é o motivo.

António Cotrim/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

As chamadas para a emergência médica tiveram um “aumento substancial” nos últimos dias, tendo-se registado mais 20% de telefonemas para o 112, disse esta segunda-feira à Lusa fonte do INEM.

Questionado pela Lusa sobre se houve um aumento de chamadas e se era possível relacioná-las com o calor intenso dos últimos dias, fonte oficial do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) explicou que a procura dos serviços de emergência médica registou um aumento de 20% nas chamadas realizadas para os Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU), “motivadas sobretudo pelo agravamento de situações de doença crónica”.

Segundo o INEM, o aumento “muito substancial” do número de chamadas de emergência e a consequente ativação de meios “justifica-se pela onda de calor verificada nos últimos dias”.

O aumento correspondeu a “umas significativas” 764 chamadas a mais, por dia, entre quarta-feira e domingo, comparando com o período homólogo do ano passado. O aumento do número de chamadas teve “naturalmente impacto” no funcionamento dos CODU, apesar do “reforço de operacionais”, que tiveram um “esforço acrescido”, segundo a fonte.

Segunda-feira, a Associação de Proteção e Socorro (APROSOC) disse em comunicado que na última madrugada, às 02h30, o CODU do INEM tinha 18 chamadas em espera e que o número de chamadas em “call-back” (recuperação de chamadas desligadas) era cerca de 90.

A fonte do INEM disse à Lusa que “naturalmente que os tempos de espera para atendimento das chamadas são mais elevados, em consequência do acréscimo muito significativo da procura dos serviços de emergência médica”.

E acrescentou que “nenhuma chamada fica sem resposta”, até porque o sistema “call-back” permite recuperar chamadas desligadas ou que caíram antes de serem atendidas, havendo profissionais com a função específica de fazer essas chamadas de volta.

De acordo com o INEM, o sistema de triagem nos CODU “permite avaliar rapidamente a situação clínica das vítimas” e estabelecer prioridades no envio de meios de emergência médica, pelo que apesar do aumento de atividade “tem sido possível manter uma resposta às várias situações”.

O INEM, fruto do aumento dos pedidos de socorro já referido, tem atendido perto de 5.000 chamadas de emergência por dia, e repudia publicações em alguns fóruns que têm como único objetivo provocar ansiedade e alarme na população portuguesa”, adiantou a mesma fonte.

Os cidadãos, salientou a fonte, “podem e devem confiar no INEM e nas restantes instituições” que compõem o Sistema Integrado de Emergência Médica. O INEM relembrou também que o 112 apenas deve ser usado em situações de emergência, e que as situações referentes a aconselhamento na área da saúde têm o Centro de Contacto do Serviço Nacional de Saúde, o SNS24, através do número 808 24 24 24.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)