PSD

Marco Almeida regressa ao PSD depois de rutura com Passos

O vereador da Câmara Municipal de Sintra volta a filiar-se no PSD de Rui Rio, depois de em 2014, no tempo de Passos Coelho, ter sido expulso por ter concorrido como independente à autarquia.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O vereador da Câmara de Sintra Marco Almeida regressou à militância no PSD, depois da desfiliação na sequência de uma candidatura independente contrária ao partido em 2013. “Presidente de secção de Sintra do PSD, entre 2001 e 2006, Marco Almeida regressa à militância do PSD, decisão que vem na sequência da eleição de Rui Rio como presidente da Comissão Política Nacional do PSD”, anunciou o partido esta sexta-feira, em comunicado.

Nessa nota, os sociais-democratas referem que, nas eleições autárquicas de 2013, Marco Almeida encabeçou a lista pelo Movimento Independente Autárquico “Sintrenses com Marco Almeida” e voltou a candidatar-se nas autárquicas de 2017, “mantendo o lugar como vereador, numa eleição em que alcançou o terceiro melhor resultado do país em número de votos, entre as candidaturas do PSD”.

O antigo secretário-geral social-democrata António Capucho, que foi expulso juntamente com dezenas de militantes do PSD pelo apoio à candidatura independente de Marco Almeida em 2013, admitiu voltar ao partido depois da eleição de Rui Rio como presidente.

Contudo, em abril deste ano, Capucho afirmou que não regressará “em princípio” ao PSD, uma vez que o Conselho de Jurisdição indeferiu o seu pedido para anular uma decisão anterior, que lhe permitiria manter o número de militante e evitar ter de se submeter a uma nova inscrição.

Marco Almeida foi cabeça de lista à Câmara Municipal de Sintra em 2015 pela “Juntos pelos Sintrenses”, de PSD, CDS-PP, PPM e MPT, com o antigo líder centrista José Ribeiro e Castro a liderar a lista à Assembleia Municipal.

Basílio Horta foi reeleito pelo PS, conquistando a maioria absoluta, ao vencer a Câmara com 43,05% dos votos, conseguindo seis mandatos contra os 29,01% de Marco Almeida (PSD/CDS-PP/MPT/PPM), com quatro eleitos, e os 09,43% da CDU, que manteve o vereador Pedro Ventura.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD/CDS

A Direita não é o bem o que se lhe chama

Fernando Leal da Costa

A direita nacional tem falta da extrema-direita, pois assim não tem um comparador extremo, à sua direita, que lhe permita conquistar o centro. A extrema-direita, se existisse, recentraria a direita.

António Costa

Nem 1% de verdade /premium

Alexandre Homem Cristo

O governo tem uma relação de indiferença para com a verdade, dizendo o que em cada momento convém dizer e atrevendo-se até a lançar números falsos se isso, na ocasião, lhe valer elogios e manchetes.

Política Externa

O Imperador vai nu /premium

Diana Soller

A situação geográfica de Portugal coloca-o numa posição estratégica privilegiada para os interesses das grandes potências. Pelo que o Estado terá que tomar decisões muito sérias quanto ao nosso futuro

Educação

Mais vale acabar

João Pires da Cruz

Damos atenção aos direitos de todos menos aos daqueles que são mais preciosos, os nossos filhos. Gastamos dinheiro em tudo, menos no que é impossível substituir, o tempo das nossas crianças aprenderem

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)