Canadá

Tiroteio no Canadá. Polícia confirma quatro mortes, dois são polícias

A polícia da cidade de Fredericton, Canadá, confirmou que o tiroteio provocou quatro mortes. Dois são polícias. O suspeito, que está detido, está a receber tratamento devido aos ferimentos.

Os residentes ouviram tiros cerca das 7h (12h em Lisboa) desta sexta-feira.

Autor
  • Catarina Gonçalves Pereira

Um tiroteio na cidade de Fredericton, a mais de 1.300km de Toronto, Canadá, causou pelo menos quatro mortes esta sexta-feira, confirmou a polícia local. Duas das vítimas são polícias locais. O suspeito, que se encontra detido, está a receber tratamento devido aos “ferimentos graves” que resultaram do tiroteio desta manhã.

As autoridades, que acabam de confirmar que já não há qualquer ameaça para a população, vão continuar no local a trabalhar na investigação.

“Das quatro pessoas que morreram no tiroteio desta manhã em Brookside Drive, duas eram agentes da polícia de Fredericton”, lê-se na conta oficial do Twitter. As autoridades pedem respeito pelo momento doloroso e pelas famílias e colegas. Os nomes das vítimas ainda não foram divulgados.

As autoridades acabaram de confirmar, através da conta oficial do Twitter, que já têm um suspeito sob detenção. Segundo a agência Lusa, a polícia local informou que as medidas de isolamento do bairro tinham sido levantadas e que já não existia uma ameaça pública, mas sem adiantar pormenores sobre as causas do incidente.

Rachel LeBlanc, que trabalha numa creche na área de Brookside Drive, disse à CBC que, pouco depois de ter chegado ao local de trabalho, ouviu “crack, crack, crack,  crack, quatro [tiros] de seguida“. Acrescentou ainda que as 23 crianças que estavam à sua guarda não tiveram conhecimento do incidente, mas que a situação a deixou nervosa.

Outro residente na zona, Robert DiDiodato, diz que ouviu uma série de tiros cerca das 7h (12h em Lisboa). Pelo ritmo a que foram disparados, ficou com a sensação de que “devia ser um tiroteio”. Christopher Gill diz que acordou com polícia à porta de casa e com o som de tiros. “Olhei pela janela e estavam três carros da polícia na rua mesmo onde eu vivo”, disse, acrescentando: “Vi um polícia encostado a um edifício… como se estivesse à espera de que alguém saísse“.

Pessoas que estavam no local conseguiram filmar as movimentações da polícia, bombeiros e ambulâncias. As imagens foram partilhadas nas redes sociais.

As autoridades estão a pedir às pessoas que evitem a área de Brookside Drive e que “fiquem em casa com as portas fechadas para sua segurança”.

O primeiro-ministro da província canadiana, Brian Gallant, prestou condolências às vítimas e aos seus familiares. “Durante esta altura difícil, os nossos pensamentos e orações vão para as vítimas e seus familiares” escreveu. “Estamos todos chocados e tristes por sabermos sobre o trágico incidente que aconteceu esta manhã em Fredericton”, acrescentou.

Também Justin Trudeau já reagiu ao incidente. O primeiro-ministro do Canadá disse que está a seguir a situação de perto. “Novidades terríveis a chegarem de Fredericton. O meu coração está com todos os que foram afetados pelo tiroteio desta manhã“, escreveu.

Ainda não se conhecem os motivos que conduziram a esta situação. A polícia continua no local, bem como bombeiros e paramédicos, segundo a informação avançada pela CBC. Neste momento ainda não há qualquer informação sobre o número de suspeitos.

(em atualização)

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)