António Costa

António Costa. Quem acha que o Ministro da Saúde se vai demitir “pode tirar o cavalinho da chuva”

283

O primeiro-ministro considera que a demissão de Adalberto Campos Fernandes, um dos temas falados numa entrevista ao Expresso, não vai resolver os problemas no Serviço Nacional de Saúde.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Quem acha que o Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, se vai demitir “pode tirar o cavalinho da chuva”. Esta foi a garantia dada por António Costa numa entrevista ao jornal Expresso, que vai ser publicada na íntegra este sábado. O primeiro-ministro falou sobre o estado do Serviço Nacional de Saúde, que nos últimos tempos tem sido tema pelas demissões nos hospitais devido à alegada falta de meios e recursos.

Primeiro, Costa põe em dúvida que existam, de facto, os problemas na Saúde que a comunicação social tem reportado, lembrando que “foi preciso o ministro Correia de Campos se demitir para acabar aquela curiosa epidemia dos partos nas auto-estradas que nunca mais ocorreram desde que o ministro se demitiu”. Mas logo em seguido acrescenta que a demissão de Adalberto Fernandes não vai fazer com que “os problemas se resolvam como por artes mágicas”.

“Já todos nós temos idade suficiente e experiência acumulada para sabermos que o setor da Saúde é um setor no qual com muita facilidade se generaliza e se torna como paradigma situações pontuais”, continuou António Costa nos excertos em vídeo divulgados esta sexta-feira pelo semanário.

Costa foi ainda questionado sobre um dos temas do verão, o caso Ricardo Robles, o ex-vereador do Bloco de Esquerda na Câmara de Lisboa que pôs à venda por 5,7 milhões de euros um prédio em Alfama quando, ao mesmo tempo, era um dos maiores críticos da especulação. O primeiro-ministro afirmou-se “surpreendido”.

“Para ser sincero sim”, respondeu. E explicou: “Nunca imaginei que quem emprega com tal virulência a moral política cometesse pecadilhos”.

Na Justiça, Costa foi confrontado com uma polémica antiga. Afinal o Governo pretende ou não substituir a  Procuradora-Geral da República (PGR), Joana Marques Vidal, no final do seu mandato. Em janeiro, a ministra da Justiça abriu a porta à saída da atual PGR, Joana Marques Vidal, no final deste ano, por considerar que, na sua “perspetiva de análise jurídica”, o mandato de seis anos é “único”.

A opinião de Francisca Van Dunem foi apoiada pelo primeiro-ministro, embora Costa tenha dito, na altura, que era “prematuro” fazer essa discussão tão cedo. Entretanto, sabe-se que a Constituição não impede que o mandato seja renovado, cabendo essa decisão inteiramente ao Governo, que propõe o nome, e ao Presidente da República, que nomeia.

“Se o Presidente da República desejar falar antes sobre esse assunto, falaremos antes, mas é um assunto que é tratado com o PR e no momento em que Governo e PR entendem que deve ser tratado”, referiu apenas António Costa na entrevista ao Expresso.

A entrevista do semanário sai para as bancas pouco mais de um dia depois de o incêndio de Monchique ter sido dominado. Tal como nos incêndios do ano passado – que resultaram em mais de 110 mortes – também este ano António Costa foi alvo de uma chuva de críticas, especialmente ter dito que o incêndio de Monchique (41 feridos, milhares de hectares de mata ardidos e dezenas de casas destruídas) foi “a exceção que confirmou a regra do sucesso” no combate aos fogos este ano.

Um dia depois, o primeiro-ministro disse que as declarações tinha sido deturpadas. Na entrevista ao Expresso reitera que a sua posição sobre o assunto é a correta e até começa com uma advertência: “Não queria que as minhas palavras fossem mal interpretadas”. E prossegue: “Dizer que as pessoas pode estar descansadas é uma irresponsabilidade, dizer que têm de estar inquietas é uma desnecessidade”, disse o primeiro-ministro, sublinhando que “com as alterações climáticas, o risco de incêndio é hoje maior do que há décadas atrás” e que “é preciso que as pessoas estejam conscientes [do estado] da floresta” do país.

No último ano da legislatura, o tema da “Geringonça” e dos partidos que a suportam torna-se ainda mais premente. A atual solução governativa – PS apoiado no parlamento pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda – tem condições para continuar? “É claro que para todas as pessoas que esta solução só é possível com um PS forte e quanto mais forte for o PS melhor funcionará esta solução política”, sublinhou António Costa, acrescentando ainda que deseja ter “o maior número de votos possível”.

Quando a um acordo à direita, com os sociais-democratas de Rui Rio, Costa sublinha: “Bloco central não, mas o PSD não tem lepra”. Uma piscadela de olho a uma geringonça à direita ou o objetivo é por em sentido os parceiros PCP e BE para as negociações do Orçamento de Estado?

Neste aspeto, Costa também abordou uma velha reivindicação dos partidos à esquerda do PS, as reformas antecipadas. E nesse ponto disse que é uma matéria que está a ser negociada. “Já demos dois passos decisivos: a eliminação de qualquer tipo de penalização para quem tenha 48 anos de trabalho e um mínimo de 60 anos de idade. Demos agora um segundo passo: a possibilidade da reforma aos 60 anos para quem tenha 46 anos de serviço e tenha começado a descontar aos 15 anos de idade. E é uma matéria sobre a qual estamos s trabalhar para procurar fazer agora justiça a quem não teve a oportunidade de ter a infância que poderia ter tido”, disse o primeiro-ministro.

No debate sobre o Estado na Nação, em julho, Costa tinha referido que o governo tencionava aprovar em julho o diploma que permite o acesso à reforma antecipada sem penalizações aos trabalhadores que têm carreiras contributivas longas. Até ao final do mês passado, isso não aconteceu. Entretanto, na semana passada, fonte oficial do Ministério do Trabalho e da Segurança Social garantiu ao Dinheiro Vivo na semana passada que o diploma em causa encontra-se já “em circuito legislativo” e que o Governo “mantém a intenção de o novo regime entrar em vigor no último trimestre do ano”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD/CDS

Os problemas da Direita: a liderança

Fernando Leal da Costa

O PSD precisa de um líder e não de um patrão. Até pode ser Rui Rio, não digo que não, mas isso obrigava-o a transmitir a ideia de que está confortável e seguro no cargo. Não parece ser o caso.

Saúde

Anatomia de uma greve

Luís Lopes Pereira

Não podemos manter greves – principalmente na prestação de cuidados de saúde – com um caráter tão indefinido no tempo como as que presenciamos, pois doutra forma teremos a morte anunciada do SNS.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)