O nome não é fácil de pronunciar, mas passou o fim de semana nas bocas do mundo: Ingebrigsten. É o apelido de Jakob, que, na passada sexta feira, entrou na história dos Campeonatos da Europa de Atletismo ao Ar Livre ao tornar-se no atleta mais novo de sempre a conquistar o ouro nos 1500 metros. Numa corrida familiar, o norueguês, de apenas 17 anos, superou a concorrência dos irmãos Henrik e Filip, campeões europeus da categoria em 2012 e 2016, respetivamente. Menos de 24 horas depois, com um copo de leite morno pelo meio, Jakob Ingebrigsten elevou a fasquia e subiu ao primeiro lugar do pódio nos 5000 metros, tornando-se no primeiro atleta a conquistar as duas provas no mesmo Europeu em 84 anos de competição.

Ao olhar para a linha de partida da final dos 1500 metros, era impossível não reparar na incomum presença de três irmãos entre os corredores. O mesmo apelido, o mesmo sangue, igual destino: Jakob, o mais novo dos competidores em prova, seria o mais rápido a cruzar a meta (3:38.10), repetindo a proeza dos seus irmãos em edições anteriores.

Henrik, de 27 anos, até era considerado favorito para arrecadar o ouro, mas o mais novo não foi de modas e roubou para si os holofotes, salvando a honra da família. O pódio ficaria completo pelo polaco Marcin Lewandowski (3.38.14) e pelo britânico Jake Wightman (3.38.25); Henrik acabaria em quarto, Filip em 12.º.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Era o primeiro grito de independência de Jakob. Habituado a ver os irmãos ganhar, cedo começou a colher os frutos do seu trabalho, com conquistas em nome próprio. Com títulos em europeus de Sub-20 e Campeonatos Nacionais noruegueses, foi no mês passado que se fixou na retina dos especialistas em atletismo ao bater o recorde júnior dos 1500 metros, no Mónaco, com o tempo de 3.31.18.

Acabado de se sagrar campeão europeu dos 1500 metros, Jakob festejou o feito com “um copo de leite morno, antes de ir direito para a cama”, garante o pai. A confirmação vem da boca do próprio: “Acreditem em mim, começámos a preparar a corrida dos 5000 metros assim que os 1500 acabaram”, explica Jakob. E com “começámos” o corredor refere-se a si e aos irmãos, embora Filip tenha acabado por falhar a derradeira corrida devido a uma costela fraturada, que o impediu de marcar presença na final.

Nos 5000 metros, Jakob foi dono e senhor da corrida, revelando maturidade, confiança e segurança fora do normal em alguém que ainda não atingiu a maioridade. O jovem dominou todo o percurso e acabou à frente de Henrik, com a família Ingebrigsten a ocupar os dois primeiros lugares do pódio. Jakob arrumou a concorrência com um tempo de 13.17.06, recorde europeu Sub-20 e segundo melhor tempo vencedor na história de um Europeu, apenas atrás dos 13.10.15 conseguidos pelo britânico Jack Buckner, em 1986.

“Ganhar este segundo título em dois dias é o resultado do trabalho feito durante toda a minha vida. É de loucos conseguir esta medalha. Tenho 17 anos e dois títulos europeus seniores. É algo enorme”, admite o jovem de 17 anos, que, enquanto liderava a prova lado a lado com o seu irmão, tentou cumprimentá-lo com um high-five, triunfante, que apanhou o próprio Henrik de surpresa. “É uma loucura, é ridículo ele ter ganho tendo em conta a idade que tem”, confessava Henrik, segundo classificado da prova, com 13:18.75, que ainda brincou: “Estava lá quando ele nasceu, mas não tenho a certeza que ele tenha 17 anos. É demasiado bom“.

O francês Morhad Amdouni fechou o pódio dos 5000 metros e não teve problemas em admitir a superioridade do fenómeno norueguês. “O Jakob é imbatível, neste momento. Foi tão mais forte do que eu”, soltou o medalha de bronze com 13:19.14, que viu o norueguês superar os resultados que alcançara no mês passado, nos Mundiais Sub-20, na Finlândia, onde foi prata nos 1500 metros e bronze nos 5000 metros.

Com tanta história no atletismo, seria de esperar que os pais dos três irmãos nascidos e criados na pequena cidade de Sandnes, na Noruega, tivessem um passado nas pistas, mas não: eram pescadores e agricultores. O que não invalidou que desde cedo apostassem nas capacidade atléticas dos filhos, chegando mesmo a realizar um documentário dividido em vários episódios intitulado Team Ingebrigstenque relata a preparação e o sucesso desta família dourada.

Henrik, à esquerda, Jakob, ao centro, e Filip, à direita, a festejarem o triunfo do Ingebrigsten mais novo nos 1500 metros (Créditos: Getty Images)

E, se pensa que os Ingebrigsten estão satisfeitos com três campeões europeus na família, desengane-se – o quarto está já a dar os primeiros passos rumo ao legado familiar. “Neste momento, o Jakob tem duas medalhas de ouro, eu e o Filip temos uma. Definitivamente, vamos voltar para melhorar as estatísticas familiares. Não há limites para nós e temos mais um irmão, prestes a fazer cinco anos, que em breve se juntará à equipa Ingebrigsten”, atirou Henrik, deixando o aviso ao mundo: o clã Ingebrigsten veio para ficar e ganhar.