Rádio Observador

Assédio Sexual

Ex-namorada de Bourdain pagou a jovem de 17 anos que a acusou de assédio sexual

328

Asia Argento foi uma das primeiras mulheres a denunciar Harvey Weinstein. Mas a atriz foi também acusada de assédio sexual por um jovem, na altura com 17 anos, a quem pagou em troca de silêncio.

VALERY HACHE/AFP/Getty Images

380 mil dólares. Foi esse o valor que a atriz e realizadora italiana Asia Argento terá acordado com Jimmy Bennett, o jovem ator que a acusou de assédio sexual, em troca do seu silêncio. O acordo, ao qual o The New York Times teve acesso, terá sido feito poucos meses depois de a atriz que se viria a tornar líder do movimento #MeToo ter acusado o produtor Harvey Weinstein de a ter violado.

Bennett tinha 17 anos quando participou num filme com Asia Argento, no qual interpretava o papel de seu filho. O ator e músico disse ter sido abusado sexualmente pela atriz, então com 37 anos, num quarto de hotel na Califórnia. Com os documentos do acordo enviado ao jornal, através de um email encriptado, chegou também uma selfie de maio de 2013 que mostra Asia Argento e o jovem deitados numa cama.

Jimmy Bennett tinha 17 anos quando participou num filme com Asia Argento, altura em que terá acontecido o abuso (Foto de David Becker/Getty Images)

Os detalhes finais do acordo foram acertados em abril. Nesse mês, a advogada de Argento enviou uma carta com um cronograma de pagamentos dos 380 mil dólares (cerca de 332 mil euros) — um valor que a advogada caracterizou como uma forma de “ajudar Bennett”.

Esperemos que nada disto aconteça consigo novamente. Você é um criador poderoso e inspirador e ter de viver com pessoas rascas que se aproveitaram tanto das suas forças como das suas fraquezas é miserável”, pode ler-se na carta assinada pela advogada da atriz.

Mas o valor pedido por Jimmy Bennett era muito superior àquele que foi acordado: 3,5 milhões de euros. Num primeiro contacto a anunciar as intenções de acusar a atriz, o advogado alegou que o jovem sofreu danos mentais, que o prejudicaram a nível profissional com perda de salários, e até agressão.

Asia Argento foi uma das primeiras mulheres a acusar de assédio sexual Weinstein, tornando-se por isso líder do #MeToo, o movimento que denunciou milhares de casos de assédio sexual e violação pelo mundo. O namorado, o chef Anthony Bourdain, que se suicidou em junho deste ano, também se juntou ao movimento.

Em Maio, Asia Argento fez um discurso na cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes 2018 sobre Weinstein. “Em 1997, fui violada por Harvey Weinstein aqui, em Cannes”, começou por dizer. No final, o discurso foi aplaudido, elogiado e reproduzido em jornais de todo o mundo.

Eu quero fazer uma previsão: Harvey Weinstein nunca mais vai ser recebido aqui. Ele viverá em desgraça, evitado por uma comunidade cinematográfica que o abraçou e encobriu os seus crimes”, disse a atriz na cerimónia.

O The New York Times garante que tentou contactar a atriz, através de chamadas, mensagens e emails não obteve respostas. A advogada de Asia Argento também foi contactado mas recusou comentar o caso. O advogado de Bennett não concordou ser entrevistado pelo jornal ao qual enviou um email: “O Jimmy vai continar a fazer o que ele tem vindo a fazer nos últimos meses e anos, focando-se na sua música.”

A atriz Rose McGowan, que é também uma das vozes do movimento #MeToo, já reagiu às notícias sobre a acusação contra Asia Argento. “Acabei de conhecer a Asia Argento há dez meses. O que tínhamos em comum era a dor partilhada de termos sido agredidas sexualmente por Harvey Weinstein. O meu coração está partido. Vou continuar o meu trabalho em prol das vítimas“, escreveu a atriz.

Depois acrescentou ainda que não se devem tirar conclusões precipitadas. “Nenhum de nós sabe a verdade da situação“, escreveu, acrescentando que acredita que vão ser reveladas mais coisas. “Sejam gentis”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)