O Facebook está a classificar os utilizadores com base na sua credibilidade. O novo algoritmo, que classifica os utilizadores numa escala de zero a um, visa combater a desinformação e as notícias falsas, revela o The Washington Post. O sistema de classificação que foi desenvolvido no último ano pretende identificar os utilizadores que estão com más intenções e é um dos novos índices de comportamento que o Facebook utiliza para calcular o risco associado às publicações.

Até aqui, a rede social liderada por Mark Zuckerberg dependia das denúncias feitas por utilizadores para identificar conteúdos problemáticos. Mas acabou por verificar que o número de denúncias falsas foi crescendo. “Não é raro acontecer as pessoas denunciarem um conteúdo como falso, simplesmente porque não concordam com a premissa da história ou porque estão a tentar atacar uma certa página intencionalmente”, explicou Tessa Lyons, responsável pela luta contra a desinformação promovida pela rede social

A responsável explicou à mesma publicação que o algoritmo é a resposta à necessidade de criar um sistema que meça a probabilidade dos conteúdos que são denunciados serem efetivamente falso. Segundo Lyons, a classificação dos utilizadores tem por objetivo tornar o processo de verificação da informação mais eficaz, evitando que as equipas de fact checking percam tempo com denúncias falsas. O sistema permite agora avaliar a fiabilidade das denúncias dos utilizadores.

“Um dos sinais que temos em consideração é a forma como as pessoas interagem com os artigos”, clarificou Lyons. “Por exemplo, se uma pessoa denunciou anteriormente um artigo como falso e mais tarde verificou-se que era mesmo falso, as futuras denúncias feitas por esse utilizador vão ser tidas mais em conta do que as feitas por alguém que denunciou indiscriminadamente muitos artigos como falsos, incluindo alguns que acabaram por ser considerados verdadeiros.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A responsável da empresa de Sillicon Valley recusou-se a clarificar que outros critérios estão a ser usados na classificação, argumentando que esta revelação poderia dar pistas a utilizadores mal-intencionados sobre como podem enganar o algoritmo. No entanto, garantiu que este algoritmo não é suposto ser um indicador absoluto da credibilidade da pessoa, mas é um dos fatores comportamentais, entre centenas , que a rede tem em conta para calcular o risco das publicações divulgadas na plataforma.

Segundo o The Washington Post, o Facebook também está a monitorizar a propensão dos utilizadores que denunciam conteúdos e as páginas que os utilizadores consideram fiáveis.