Rádio Observador

Mercedes-Benz

SUV eléctrico da Mercedes já é oficial. Conheça-o

131

Esta é a versão definitiva do SUV eléctrico da Mercedes apresentada hoje, aqui na versão EQC 400 4Matic. Assume-se como um SUV generoso com 408 cv e uma bateria de 80 kWh, que vai chegar em 2019.

A primeira surpresa durante a revelação do EQC em Estocolmo prendeu-se com as semelhanças entre o protótipo apresentado no Salão de Paris de 2016, e o veículo definitivo que irá ser produzido em Bremen, a partir de 2019. As preocupações aerodinâmicas são evidentes, da mesma forma que saltam à vista as reduzidas entradas de ar, especialmente as que visariam a refrigeração do motor que, por ser eléctrico, não necessita de tanto ar. Já em relação às baterias a conversa é outra, uma vez que para mantê-las dentro dos parâmetros de segurança, durante as acelerações fortes e as cargas rápidas, é necessário algum esforço adicional.

O primeiro eléctrico moderno da Mercedes surge como um SUV de dimensões generosas, mas talvez não tanto quanto as imagens deixam imaginar. Segundo o fabricante, o EQC tem um comprimento de 4,76 metros (o I-Pace tem 4,68 m e o Model X 5,05 m), o que o coloca entre o SUV tradicionais GLC (4,68 m) e GLE (4,81 m).

Outra surpresa vem da altura, que se esperava superior aos “irmãos” a gasolina e diesel, uma vez que o EQC tem de criar uma zona sob os assentos para alojar o pack de baterias. Contudo, o SUV eléctrico anuncia apenas 1,62 metros, contra 1,64 m do GLC e 1,79 m do GLE, pelo que a Mercedes realizou aqui um bom trabalho, eventualmente à custa de uma menor altura ao solo.

Em termos mecânicos, o EQC, apresentado aqui na versão 400 (relativo à potência, seguindo aqui o mesmo raciocínio usado pela Jaguar, com o I-Pace 400) 4Matic, monta dois motores de 150 kW (204 cv), um à frente e o segundo atrás, o que garante um total de 408 cv. Esta potência coloca o EQC 400 ao nível do GLC AMG 63, com motor 4.0 V8 de 476 cv. É certo que perde cerca de 70 cv na potência máxima, mas obtém esse valor muito mais cedo e sempre pode usufruir de muito mais força, pois o SUV eléctrico anuncia um binário de 765 Nm, bem acima dos 650 Nm da versão desportiva a gasolina.

A alimentar os dois motores está uma bateria de 80 kWh e 650 kg – e não de 70 kWh como a que equipava o protótipo –, com a marca a incrementar a capacidade para fazer frente à concorrência e assegurar uma autonomia decente. Assim, o EQC 400 anuncia 450 km de autonomia, mas estranhamente segundo o método NEDC, que já foi abandonado, o que nos obriga estimar um valor em WLTP, que não deverá ser muito superior a 300 km.

Com uma velocidade máxima de 180 km/h e a capacidade de atingir 100 km/h em 5,1 segundos, o EQC 400 anuncia ainda um peso de 2.425 kg, acima dos 2.000 kg do GLC 63 AMG e dos 2.175 kg do GLE. Para recarregar as baterias, o EQC pode-se ligar a uma wallbox de 7,4 kW, ou a um sistema de carga rápida (até 110 kW), o que lhe garante ir de 10 a 80% em 40 minutos.

A produção do EQC vai arrancar no final de 2019, com a Mercedes a não se comprometer com o mês e muito menos com o dia, sendo que tão pouco o preço é conhecido. Contudo, aqui, a Mercedes estará limitada pelos concorrentes, cujos valores serão ainda alvo de reacertos à medida que novos concorrentes forem surgindo.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)