Óbito

Morreu Helena Lopes da Silva, fundadora do Bloco de Esquerda

799

A médica cirurgiã morreu este sábado aos 69 anos, em Lisboa. O Bloco de Esquerda diz que a "a Esquerda perdeu uma das suas grandes lutadoras sociais".

Helena Lopes da Silva foi militante de esquerda pela libertação das ex-colónias portuguesas

A médica cirurgiã Helena Lopes da Silva, fundadora do Bloco de Esquerda (BE) e sua ativista, morreu este sábado aos 69 anos em Lisboa, anunciou o partido. A coordenado do Bloco, Catarina Martins, aproveitou as redes sociais para prestar homenagem à “mulher de esquerda, feminista, corajosa e solidária” que era Helena Lopes da Silva. “Com sorriso franco e abraço fortes, das imprescindíveis”.

Nascida em Cabo Verde, Helena Lopes da Silva foi em Portugal que tirou o seu curso de medicina e exerceu a sua atividade profissional como cirurgiã e docente universitária.

Helena Lopes da Silva foi militante de esquerda pela libertação das ex-colónias portuguesas, membro da LCI, que deu origem ao PSR, cuja lista às eleições europeias encabeçou em 1994, e fez parte dos movimentos pelo ‘Sim’ à despenalização do aborto nos referendos.

Helena Lopes da Silva manteve ainda um contacto intenso com Cabo Verde, onde fazia parte do Conselho de Estado. Numa nota enviada à Lusa, o BE apresenta “as mais sentidas condolências” aos familiares e amigos, sublinhando que o Bloco de Esquerda perdeu uma das suas militantes e “a Esquerda perdeu uma das suas grandes lutadoras sociais”.

A nota de pesar do Bloco de Esquerda:

“Morreu hoje Helena Lopes da Silva, fundadora do Bloco de Esquerda e sua ativista desde sempre. Nascida em Cabo Verde, fez em Portugal o seu curso de medicina e exerceu a sua atividade profissional como cirurgiã e docente universitária. Com 69 anos, Helena foi militante da esquerda anti-colonialista contra a ditadura e depois membro da LCI, que deu origem ao PSR, cuja lista às eleições europeias encabeçou em 1994. Foi uma das criadoras da Campanha Nacional pelo Aborto e Contracepção (CNAC), que deu origem à mobilização pelos direitos das mulheres contra a criminalização do aborto. Perdeu o referendo de 1998 e ganhou o seguinte, tendo sido sempre uma das destacadas dirigentes feministas. Como médica, impulsionou o movimento dos Médicos pela Escolha, que foi crucial nessa vitória. Manteve um contacto intenso com o seu país de origem, onde fazia parte do Conselho de Estado.

Viveu em 1999 o entusiasmo da criação do Bloco, que acompanhou em todos os seus momentos. Deu a sua opinião, juntou gente, foi coerente, foi como era, combativa e forte. Lembraremos a sua atitude, a sua frontalidade, a sua vontade, a sua amizade e o seu internacionalismo.

O Bloco de Esquerda apresenta aos seus familiares e amigos as mais sentidas condolências. Perdemos uma das nossas militantes e a esquerda perdeu uma das suas grandes lutadoras sociais. Continuaremos a lutar como ela.”
 

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Transformação: o segredo da inovação /premium

Sebastião Lancastre

As sociedades caminham no sentido de desmaterializar o dinheiro, tornando-o invisível nas nossas vidas. Na Suécia há centenas de lojas que já dizem, à entrada, que não aceitam dinheiro físico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)