Tesla

Justiça investiga Tesla após tweet de Elon Musk

Tesla está a ser investigada pela Justiça dos EUA por suspeitas de fraude. Em causa está tweet de Elon Musk sobre tirar a empresa da bolsa. Notícia da investigação fez despencar as ações.

Jordan Strauss

A Tesla de Elon Musk está a ser investigada pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos da América por suspeitas de fraude, está a avançar a Bloomberg. A investigação começou depois de o empresário ter dito no Twitter que “tinha um fundo garantido” e que a Tesla podia sair da bolsa. As ações da empresa entraram em queda com a notícia da investigação.

Em comunicado enviado esta terça-feira, a empresa de Musk esclareceu: “No mês passado, após o anúncio de Elon de que considerava tornar a empresa privada, a Tesla recebeu um pedido voluntário de documentos do Departamento de Justiça e tem respondeu de forma cooperante”. “Não recebemos uma intimação, um pedido para depor ou outro pedido formal. Respeitamos o desejo do Departamento de Justiça de obter informação sobre este assunto e acreditamos que o assunto deve ser resolvido rapidamente uma vez revista a informação que receberam”, acrescentou.

tweet de Elon Musk por detrás das investigações foi publicado a 7 de agosto: “Estou a considerar tornar a Tesla privada a 420 dólares. Financiamento assegurado”, escreveu o empresário. A mensagem surgiu nas redes sociais depois de o Financial Times ter descoberto que o Fundo de Saúde soberano da Arábia Saudita tinha comprado uma participação de 3% a 5% na Tesla Inc..

Depois da publicação de Elon, o preço das ações da Tesla subiu quase 11% e isso fez com que a empresa cimentasse a posição de uma das empresas de automóveis mais valiosas nos Estados Unidos. Já no final de agosto, com o ceticismo dos investidores, Elon Musk retirou o que disse. Após ter sido noticiada a investigação do Departamento de Justiça, as ações da Tesla estiveram a cair mais de 7%. O valor da empresa diminuiu quase um terço, o equivalente a 18 mil milhões de dólares, mas horas depois os títulos estavam a perder “apenas” 3,5%.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)