Marine Le Pen

Juiz ordena exame psiquiátrico a Marine Le Pen, que se insurge

1.071

"É verdadeiramente alucinante. Este regime começa a ser assustador", escreveu a líder da União Nacional (ex-Frente Nacional) no Twitter ao publicar o documento judicial.

YOAN VALAT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, insurgiu-se esta quinta-feira contra a decisão de um juiz de lhe impor um exame psiquiátrico por ter divulgado em 2015 no Twitter fotos de execuções do grupo Estado Islâmico.

“É verdadeiramente alucinante. Este regime começa a ser assustador”, escreveu a líder da União Nacional (ex-Frente Nacional) no Twitter ao publicar o documento judicial.

A ordem data de 11 de setembro e foi emitida pelo juiz instrutor do processo em que Marine Le Pen é acusada de “difusão de imagens violentas” e nela é ordenada a realização de um exame psiquiátrico “no mais breve prazo”. “Eu achava que era legítimo, mas não! Por denunciar os horrores do Daesh [o grupo jihadista Estado Islâmico] em tweets, a ‘justiça’ submete-me a perícia psiquiátrica! Até onde é que eles irão?”, reagiu a política.

O exame, lê-se na ordem judicial, visa determinar “se ela está condições de compreender o discurso e de responder às questões” e se “a infração apontada tem relação com elementos factuais ou biográficos da interessada”.

A 16 de dezembro de 2015, Marine Le Pen divulgou no Twitter fotos de execuções do grupo Estado Islâmico, em resposta ao jornalista Jean-Jacques Bourin, da BFMTV-RMC que ela acusava de ter “feito um paralelo” entre o grupo jihadista e a Frente Nacional. Le Pen criticou o jornalista pelo que considerou uma “derrapagem inaceitável” e “declarações imundas” e, identificando-o na publicação, divulgou três fotografias com a frase: “O Daesh é isto!”.

As fotos mostravam um soldado sírio, vivo, esmagado pelas lagartas de um tanque, um piloto jordano queimado vivo numa jaula e o corpo decapitado do jornalista norte-americano James Foley. Publicadas um mês depois dos atentados de Paris, que fizeram 130 mortos, as fotos suscitaram forte polémica em França.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)