Lisboa e Porto já não fazem parte do mercado imobiliário português mas, sim, de um mercado global em que competem com outras capitais europeias. Por esta razão, não faz sentido achar que as valorizações dos preços são algo preocupante — e no resto do país o cenário é distinto, defendem os líderes de alguns dos principais bancos nacionais reunidos numa conferência, esta terça-feira, na capital portuguesa. Um dos presidentes, Miguel Maya (do MillenniumBCP), defendeu que, por causa dessa internacionalização de Lisboa e Porto, “dificilmente” os preços vão baixar nas principais cidades — se houver descidas, serão “marginais” e ligadas à nova oferta que virá para o mercado nos próximos dois anos.

As declarações dos banqueiros foram feitas numa conferência organizada pelo “Jornal de Negócios” para falar sobre a “banca do futuro”. Além desse tema, sobrou tempo para falar sobre as condições atuais que se vivem na economia portuguesa. A conferência foi aberta pelo secretário de Estado adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, que pediu cautela na concessão de crédito (sobretudo o crédito ao consumo), mas os banqueiros não veem razões para preocupação — até porque, como lembrou Paulo Macedo, presidente da Caixa Geral de Depósitos, os problemas do passado não estiveram ligados à proliferação do crédito mas à exposição a “grandes riscos”.

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa fez o encerramento institucional da conferência mas, horas antes, esteve num outro evento onde se manifestou preocupado com os riscos que possam advir de uma eventual “bolha” do setor imobiliário em Portugal. O responsável pediu “decisões robustas e sustentáveis” para assegurar a estabilidade financeira, decisões cuja importância é ainda maior em situações de “euforia no mercado”, sobretudo no imobiliário.

O espanhol que hoje lidera o BPI, Pablo Forero, que participou na conferência do “Jornal de Negócios” garantiu à audiência que “podemos estar tranquilos” quando falamos no risco de valorizações excessivas ou possíveis correções súbitas nos preços. Forero traz na algibeira a experiência de ter trabalhado na banca espanhola num país que viveu, de facto, uma “bolha” nos preços da habitação, generalizada, não só nas principais cidades mas um pouco por todo o país. “Acho que a situação em Portugal é bastante razoável”, defendeu Pablo Forero, garantindo, no entanto, que é sempre preciso ter como objetivo “evitar excessos” mas, nisso, os “bancos portugueses estão a fazer um trabalho sério”.

Esse trabalho sério está a ser feito não só na concessão “criteriosa” de crédito, comentou Miguel Maya, do BCP, mas também no financiamento à promoção e construção. O MillenniumBCP já está a financiar projetos de promoção imobiliária mas, garante o seu novo presidente da comissão executiva, “com regras muito diferentes” do que aconteceu nos anos antes da crise, ou seja, de forma mais “criteriosa” e com métodos cautelosos de avaliação do risco e do valor dos ativos colaterais.

A nova oferta que vai chegar ao mercado pode levar ao que Miguel Maya chama um “ajustamento” dos preços, mas este “dificilmente” será mais do que algo marginal, sobretudo nas principais cidades, como Lisboa e Porto. O presidente do BCP lembrou que, ao passo que há alguns anos, estas cidades estavam enquadradas no mercado imobiliário português, hoje em dia isso já não acontece porque estas cidades já fazem parte de um outro mercado, o mercado internacional.

O presidente do BCP também falou sobre o crédito ao consumo, como em resposta ao secretário de Estado Mourinho Félix, garantindo que também nessa rubrica o banco que lidera está a ter uma atitude cautelosa. Se a concessão de crédito está a aumentar, isso não significa que há falta de critério, pelo contrário: “risco e incumprimento existe sempre porque a nossa atividade é lidar com o risco, mas não tenho qualquer razão para achar que o crédito que temos concedido nos últimos anos tem riscos grandes de incumprimento”.

Também António Ramalho, presidente do Novo Banco, lembrou que nem nos anos anteriores à crise Portugal viveu uma “bolha” imobiliária. A subida dos preços dos últimos anos, defende o banqueiro, deve-se ao efeito de adiamento de muita procura, ao cabo de vários anos em que os portugueses adiaram investimentos maiores em bens de investimento, como casas ou carros. Além disso, a oferta também não foi sendo criada: “tivemos vários anos em que não só não se construía como, também, não se licenciava”, lembra António Ramalho. Daí que, defende o banqueiro, os riscos que existem hoje são “perfeitamente geríveis”.