O nono suspeito de ter encenado a entrega das armas furtadas dos Paióis Nacionais de Tancos regressa a Portugal na próxima terça-feira. De acordo com fonte judicial, o major Vasco Brazão terá depois de ser ouvido pelo juiz de instrução João Bártolo no prazo máximo de 48 horas.

O militar do Exército tinha aterrado na capital da República Centro Africana 24 horas antes de a Operação Húbris avançar para o terreno. Na manhã de terça-feira, quatro elementos da Polícia Judiciária Militar (PJM), incluindo o diretor, foram detidos juntamente com três militares da GNR e um civil. E a PJ até podia ter realizado todas as detenções no mesmo dia, uma vez que os mandados de detenção dos nove suspeitos foram emitidos a 19 de setembro, três dias antes de Vasco Brazão regressar à República Centro Africana.

Na manhã de terça-feira, quando a operação foi para o terreno com buscas às casas dos vários suspeitos, além das instalações da PJM e da GNR, o nono suspeito já estava a 5000 quilómetros de distância.

Tancos. Como o diretor da PJ Militar terá protegido assaltante e encenado operação para passar à frente da PJ

Esta quinta-feira, quando já decorriam as identificações dos oito suspeitos detidos, Ricardo Sá Fernandes surgiu à porta do Tribunal de Instrução Criminal para revelar que passaria a representar o major Vasco Brazão no processo. Nesse momento, o advogado ainda tentava chegar a acordo com o juiz de instrução para uma data em que Brazão pudesse ser ouvido em Lisboa, mas deixava de imediato uma garantia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O militar “está desejoso de prestar declarações e de esclarecer este equívoco, está à espera de vir o mais rapidamente possível e, se dependesse dele, já cá estava.”

Vasco Brazão regressa na próxima terça-feira e ainda não é totalmente claro o que se passará de seguida. De acordo com fonte ligada ao processo, o juiz de instrução e a defesa do major ainda encontraram uma data para que se realize o interrogatório do militar (assumindo, como deverá acontecer, que é de imediato constituído arguido). Uma das possibilidades é que seja detido assim que chegar ao aeroporto de Lisboa; outra, alternativa, é que lhe seja indicada uma data para apresentar-se em tribunal para prestar declarações.

Não será o primeiro a fazê-lo. Luís Augusto Vieira, diretor da PJ Militar, foi um dos detidos que optou por responder às questões de João Bártolo e dos procuradores João Melo e Vítor Gonçalves. E falou de forma alongada: de acordo com fonte judicial, esteve cerca de duas horas na sala com os magistrados, ele que será um dos principais alvos na investigação que a Polícia Judiciária desenvolveu para apurar as circunstâncias em que foram recuperadas as armas de Tancos.

PJ Militar recupera armas roubadas em Tancos. PS chama ministro de urgência ao Parlamento

Na tese da Polícia Judiciária, o coronel Augusto Vieira terá liderado um grupo que encenou ou colaborou na encenação da entrega das armas na Chamusca, a 18 de outubro do ano passado. Tudo, alegam os magistrados do Departamento Central de Instrução e Ação Penal, para ganhar vantagem sobre a PJ, a quem o Ministério Público tinha entregue a investigação.

Esta sexta-feira, e uma vez que todos os detidos já foram presentes a juiz e prestaram declarações (aqueles que entenderam fazê-lo), o Ministério Público anuncia as medidas de coação que quer ver aplicadas aos arguidos. Durante a tarde, o juiz João Bártolo deverá tomar uma decisão.