Exploração Espacial

Astronautas aterraram de emergência por erro num foguetão Soyuz

Astronautas da Roscosmos e da NASA aterraram de emergência depois de um foguete Soyuz ter acusado erros de funcionamento no percurso para a Estação Espacial Internacional. Tripulação está a salvo.

Roscosmos

O astronauta Nick Hague da NASA e o cosmonauta Alexey Ovchinin da Roscosmos regressaram à Terra depois de o foguetão russo Soyuz que os levaria até à Estação Espacial Internacional ter acusado erros de funcionamento minutos depois da descolagem em direção ao espaço. A agência espacial norte-americana diz que os astronautas detetaram problemas no motor da aeronave, que fez um regresso de emergência à Terra em modo balístico. Os astronautas voltaram em segurança e já saíram da cápsula russa.

Entretanto, a Roscosmos já publicou as primeiras imagens dos dois astronautas no Twitter. Ambos aparecem a conversar um com o outro num consultório médico enquanto fazem exames: “O cosmonauta da Roscosmos Alexei Ovchinin o astronauta Nick Hague da NASA estão agora em Zhezkazgan e passam por um exame médico antes de irem embora. O diretor geral da Roscosmos, Dmitry Rogozin, decidiu transportar os astronautas para Baikonur”, anunciou a agência espacial russa.

A Roscosmos também publicou um vídeo em que os dois astronautas surgem a sair de uma carrinha e a entrarem num avião, que os levará até Baikonur. No entanto, o vídeo foi apagado duas vezes.

https://twitter.com/roscosmos/status/1050366126100758528

[Veja o vídeo do momento em que algo correu mal no Soyuz]

No momento em que o erro foi detetado é possível ouvir um sinal de alerta e a mensagem: “Inaudível. Há uma emergência. Há uma falha no impulsionador. Estamos em ausência de peso”. Às 10h20, os astronautas aterraram em segurança no Cazaquistão e estão agora a ser acudidos pelas equipas de busca e salvamento. A agência espacial norte-americana diz que os dois astronautas estão “em boas condições” e que estão a manter contacto com os engenheiros.

Brandi Dean, porta-voz da NASA, disse em Houston, na transmissão ao vivo da agência espacial norte-americana: “Confirmo que o lançamento do Soyuz MS10 de hoje entrou num modo de reentrada balístico um pouco depois do seu lançamento em torno de 03h47, horário central. Isso significa que a tripulação não vai para a Estação Espacial Internacional hoje. Em vez disso, estão num regresso forçado para a Terra. As equipas de busca e resgate estão sempre preparadas no caso de algo assim acontecer”.

O foguetão Soyuz, que é o mais utilizado para levar astronautas e carga útil até à Estação Espacial Internacional, tinha levantado voo às 09h40 de Lisboa a partir do Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão. Quatro minutos mais tarde, a NASA anunciava no Twitter que “houve um problema com o foguete de lançamento” e que “as equipas [norte-americanas] estão em comunicações com os parceiros russos para obter mais informações sobre o problema com o impulsionador do lançamento”.

Pouco depois, a NASA oficializava que “a tripulação está a voltar à Terra em modo de descida balística”, num percurso mais a pique do que é normal. Dmitry Rogozin, diretor geral da Roscosmos, já veio dizer que reuniu uma Comissão para descobrir “a razão do acidente na SOYUZ-FG pH” e sublinhou que “o sistema de resgate de emergência Soyuz-MS funcionou”: “A tripulação está a salvo”, publicou ele no Twitter.

Este erro acontece pouco mais de um mês depois de um buraco ter sido detetado na parte russa ancorada à Estação Espacial Internacional. O buraco, que tinha dois milímetros de diâmetro e que tinha sido feito com recurso a uma broca, provocou uma fuga de ar mas foi imediatamente selado pelos astronautas a bordo do laboratório espacial. As autoridades estão agora a determinar o que está na origem da falha.

Nick Hague e Alexey Ovchinin estavam a caminho da Estação Espacial Internacional para se encontrarem com o comandante alemão Alexander Gerst da Agência Espacial Europeia, a engenheira aeroespacial Serena Auñón-Chancellor da NASA e o engenheiro aeroespacial Sergey Prokopyev da Roscosmos. Todos pertencem à expedição número 57, que está na Estação para participar em centenas de experiências nas áreas da biologia e biotecnologia.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)