Não se pode agradar a todos mas, aparentemente, os dois novos apresentadores do programa de automóveis Top Gear, da BBC, não cativam ninguém (ou quase). A cadeia de televisão britânica decidiu que Paddy McGuinness e Andrew Flintoff seriam os novos apresentadores do Top Gear, depois de Matt LeBlanc ter cessado a colaboração com o reputado programa de entretenimento sobre automóveis.

O objectivo da BBC é pois realizar a próxima época (a 26ª), a começar no início de 2019, mantendo os actuais Chris Harris, Matt LeBlanc e Rory Read, para depois, na 27ª época, introduzir as novas aquisições, McGuinness e Flintoff, associados a Harris. Esta decisão levou a este comentário de Tiff Needell, ex-piloto (chegou a disputar duas provas de F1), ex-apresentador do Top Gear e estrela do Fifth Gear: “E agora há apenas um jornalista automóvel no Top Gear.”

Há muito que a BBC trocou a informação (coerente e especializada) por um espectáculo de entretenimento, onde a diversão ganha à realidade e uma piada vale mais do que verdadeiramente informar sobre a qualidade, ou a falta dela, de um determinado automóvel. Foi isto que se conseguiu com o afastamento de Needell e o reforço dos poderes de Jeremy Clarkson, que era ‘deus da terra’, ou pelo menos no Top Gear, até decidir culminar uma série de excessos dando um murro no produtor, o que levou ao seu despedimento.

O facto de ter contratado para a 27ª série do programa um cómico (McGuinness) e um ex-jogador de críquete é apenas mais ‘um prego no caixão’ do programa, que sobreviveu a Clarkson, pela sua qualidade enquanto dinamizador de um programa deste tipo. Mas não há muitos Clarkson neste mundo e se Jeremy pode até nem perceber muito de carros, a verdade é que é um fã e acabou por ser um conhecedor – mais não seja pelo tempo que teve de dedicar ao assunto. No entanto, o mesmo já não acontece a McGuinness e a Flintoff.

O anúncio da equipa para 27ª época, em que Harris se junta ao cómico e ao ex-profissional  de um desporto que, para muitos, é aquela espécie de basebol em miniatura que só os ingleses – e os países que foram por eles dominados – apreciam, não teve a melhor das reacções, com os fãs a dizerem preferir o desaparecimento do programa. Aparentemente, os fãs do Top Gear parecem ser imunes à comédia ou ao “mini-baseball”. O que gostam mesmo é de carros e de espectáculo.